PT | EN | ES

Main Menu


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

Sentence view

1820. Carta de João Luís Cerqueira, provavelmente cirurgião, para José Pedro da Costa Aço.

SummaryO autor queixa-se da forma irresponsável como um rapaz, protegido do destinatário, se está a comportar no Brasil.
Author(s) João Luís Cerqueira
Addressee(s) José Pedro da Costa Aço            
From América, Brasil, S. Luiz do Maranhão
To Portugal, Lisboa
Context

Em 1823 António José Nunes, cirurgião do Hospital Nacional de S. José, processou o próprio filho por culpas de vadiagem. Depois de uma sentença de degredo para a Índia por cinco anos, o pai reconsiderou e perdoou o filho, Ezequiel Nunes, de modo que a sentença foi revogada. Na súplica que o pai dirigiu ao Corregedor do Crime do Bairro da Rua Nova (Lisboa) está o elenco das suas queixas, que incluem a memória da passagem do rapaz pelo Brasil. O processo inclui também duas cartas de 1823 de cirurgiões do Hospital Nacional de São José (um explicador particular e um professor particular de anatomia) atestando que Ezequiel Nunes era "muito descuidado nas obrigações de estudante". Note-se que num período de grande agitação política – o Vintismo mostrava-se incapaz de resolver os muitos problemas do Império Luso-Brasileiro – as redes de apoio e de clientelismo pareciam continuar a funcionar e a Índia permanecia como estímulo corretivo. Transcrição normalizada da referida súplica [Cad. [1], Fl. 2r]: «Diz António José Nunes, cirurgião aprovado, morador na Rua dos Algibebes [...], que entre outros filhos que tem, há bem assim Ezequiel Nunes, ao qual havendo-lhe dado a educação necessária, procurando-lhe até uma loja para aprender o ofício de serigueiro de chapéus da qual fugiu, passou o suplicante aplicá-lo à sua mesma Arte de Cirurgia no Hospital Real de S. José, que exercitou por espaço de 3 anos, porém inutilmente sem estudar, vadiando e praticando desatinos, de sorte que o suplicante, para salvar o seu crédito e evitar a total ruína do dito suplicante, conveio que ele fosse para o Maranhão sendo recomendado ao Físico Mor António do Rego, o qual logo o empregou no hospital da mesma cidade, vencendo 100 réis por mês e ração; mas no fim de 6 dias, desamparou e fugiu para bordo de uma charrua e vindo a terra cometeu a aleivosia de extorquir um relógio e cadeias de ouro ao dono da casa em que estava hospedado [fl. 2v] passando a vender os ditos trastes por cujo facto foi preso e voltando a esta cidade, lhe fez o suplicante assentar praça no Batalhão nº 3 destinado ao Rio de Janeiro, de que logo deu baixa. O suplicante ainda quis ver se o dito seu filho tomava novo caminho evitando a sua ruína, tornou a mandá-lo para o Hospital Real de S. José aonde anda há [justo?] de 4 anos, inutilmente, porque se entregou ao ócio e vadiagem, inda lhe extorquido [sic] de casa alguns livros e miudezas. [...]».

Support meia folha de papel dobrada escrita em todas as faces.
Archival Institution Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Casa da Suplicação
Collection Feitos Findos, Processos-Crime
Archival Reference Letra E, Maço 1, Número 24, Caixa 2, Caderno [2]
Folios 8r-9v
Transcription Sara de França Sousa
Main Revision Rita Marquilhas
Contextualization Miguel Cruz
Standardization Clara Pinto
POS annotation Clara Pinto, Catarina Carvalheiro
Transcription date2009

Text: -

Tags:


[1]
Snr Jozé Pedro da Costa Aço
[2]
Maranham 4 de Novembro de 1820
[3]
Meu Amigo e Snr Tenho prezente a de vm de 19 d Agosto que me dirigio pello filho do seu amigo Cirurgião cuja me foi entregue por elle mesmo, e logo foi entregar ao Illustrissimo Senhor Fizico mor a que para ele trazia.
[4]
Logo o Fizico mór lhe deu hum bilhete para hir para o Hospital, e no mesmo dia precepiou a ganhar dinheiro pello emprego de Enfermeiro, e com sua ração,
[5]
isto em virtude da Carta de vm e peditorio nella,
[6]
paçados 6 dias apareseme o rapas queixandose, que aquelle emprego lhe não servia e que se queria examinar de Cirur-gião ao que lhe dice eu, se tinha séus papais
[7]
dice que não más que o Doutor Sou-za lhe arranjava tudo,
[8]
dahi a 4 ou 5 dias paçou a Despedirse do Hospital sem sem dár parte ao Fezicco mór nem com elle ter uma atenção de politeca,
[9]
e Logo que se despedio me aparece dezendome que o Tinhão despedido, e que por isso queria cuidar no seu exame para entrar de Cirurgião na Fragata que aqui está ancorada, e que para isso queria dinheiro para os seus depozitos para fazer o dito exame
[10]
mandeio vir no dia 2 do corrente mês para hirmos a Caza do Delegado examinador para fazer o ditto depozito e por elle ainda aqui estou esperando
[11]
e não sei o rumo que se seguio
[12]
e do que elle tiver praticado lhe direi para os Navios que sahirem.
[13]
E estou pur-çuadido que o rapaz tem huma aduélla de menos e vejo que somentes elle quer he paciar devertir-se, e comer do que os outros ganhão
[14]
e hum rapas de semelhantes coalidades he asneira mandallo para esta terra, pois se o mandase para a india pareseme que fazia milhor negocio,
[15]
e queira Deus elle não inda algum disgosto ao Pay antes d aqui se fazer a vella.
[16]
Em virtude da sua ordem farei darlhe o devido comprimento, e em tudo comprirei o seu pedido que he no Cazo de o ver com porcizão lhe darei alguma couza de roupa, e Calçado athe elle se-guir algum norte pois eu en Caza não necesito delle nem húm hum rapas criado com largueza se sugeita aprender esta oCupação que nesesita paxorra e muita paciencia e isto não se encontra senão em quem he criado com opreção e di idade tenrra etc
[17]
Enfim cazo elle apareça saberei indagar os motivos que teve de não me aparecer para hirmos com d o dinheiro fazer o depozito para o Exame.
[18]
Estimo que estas regras o vão achar com muita Saude para com ella me detreminar seus perceitos
[19]
e Sou De vm Venerador e muito Obrigado João Luis Sorqueira

Text viewWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewSyntactic annotation