PT | EN | ES

Menú principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

Visualización por frase

[1617-1620]. Carta não autógrafa de Antónia Leal, mulher de um sapateiro, para um membro da Inquisição de Coimbra.

Autor(es)

Antónia Leal      

Destinatario(s)

Anónimo115                        

Resumen

A autora enumera os argumentos que a levam a considerar que o seu cunhado é judeu.

Texto: -


anteriores


[1]
he homem q arenega de deus e de seus sanctos e arenega dos osos dos sanctos dos aterez gura polas tripas de deus gura polas chagas do diabo e emcomedase a elas q lhe valham os seus trabalhos
[2]
diz q se deus o matar de fome q ma bocado a deus de comer dele e q ha d acabar d arenegar
[3]
dix q a augua q he maldita e q os malditos vam pidila a deus do seu
[4]
dis quando ha de dizer esperaime em pratiqua diz q lhe esperem ate vinda de cristo
[5]
nisto mostra ser gudeu q não crcer cre q he vindo ho mundo
[6]
diz q deuos q não pode perdoar pecados
[7]
diz q deus q não pode remediar trabalhos
[8]
diz q hũa pecadora q se não pode salvar nem deus a pode salvar
[9]
diz q os p pecados garandes q se não am de comfecar senão porse os peis do comfecor e por os olhos n no seu e q logo fiquam perdoados
[10]
diz q não tem q ir fazer a igreia nem tem q ir la ver
[11]
diz q quer mal os qrelegos e as cousas da igria
[12]
diz por esquarneo nouvada seja a caralhinha de c cristo
[13]
diz quando diz sua molher os poderes de deus nos valham respomdeponde os foderes de deus nos valham
[14]
diz q dezeja de dezonrar hũa filha dum crelego pelo mal q lhe quer e quando não puder q ha de ver se pode acolh ho propio crelego e q com ele ha de dormir e e desomRalo pelos a Pater e apouquar
[15]
he homem q migou na natureza da sua mula dizendo q a mula q estava com dezejos de fazer tal couza e q o conhicia a a mula
[16]
e diz q não he bautizado nen he cristam q pera o ser q ho am de tornar a bautizar
[17]
diz a mulher q lhe beije sua natureza e q compriRa com ela na boca e por detras
[18]
diz q dorme com a mulher por não dormir com hua bura
[19]
diz q os sancntos q sam abamtasmas e antam trona a dizer q o dizem os trusquos porq se teme dos bõis cristãis q lhe vam ha mão
[20]
diz c o cazamento q se não fez per bom titulo nem pera acrecemtamemto do gerun umano senão pera velhaquear sem aver fruto de bemsam
[21]
e se lho deus da q ho ha de matar
[22]
diz q sabe quem dormim e desomrou hua minina de tres anos
[23]
diz q em algũas couzas pode o diabo mais q deus
[24]
não quer q sua molher va a igreia nem reze
[25]
dizlhe q lhe não quer ver as comtas na mão
[26]
pormeteu a sua molher de a matar se ela cofecaua pecado mortal
[27]
e ela como boa cristam e filha de bom varam e de boa cociencia se lhe sair de seu mando so pelo comfesar
[28]
e eu amtonia leal ando esperado pola boa ora com as ilhargas cheas por iso não poso irme aquzar a esa sancta imquisisam
[29]
e sou molher q não poso ir a pe nen a bariga me deixa por iso busquei este padre pera acim por minha comsiencia e desemcareguar minha alma ate poder ir a esa sancta caza
[30]
e se morer ja fiquo desemcaregada sobre a comsiencia deste comfesor

Edit as listText viewWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewSyntactic annotation