PT | EN | ES

Main Menu


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

PSCR0078

1558. Carta de Inês Batista para Jorge Pinto, seu filho.

Author(s)

Inês Batista      

Addressee(s)

Jorge Pinto                        

Summary

A autora faz diversas recomendações ao seu filho e queixa-se de que ele não segue os seus conselhos.
Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Filho

Muyto follguey sy hũa carta que me derão vosa por saber novas de vos porque vos fostes de moura tam depresa q nũca me mãdastes dizer ho que la pasastes q me mãdou dizer vosa yrmã muyto me memquorya de vos q não estiveses ahi mais q dia rogandovos eu muyto q estiveses ela simquo ou seis dias/ mas pareseme q nũqua neste mundo follgastes de me fazer a vontade em nada que seya como vos quyzerdes qamto he ao que me mãdais dizer q estais malldesposto duma perna pesame muyto diso noso sor vos de muyta saude asi como eu deseyo qamto he ao q me mãdais dizer dese neguosio desa molher q me vos tinhãs dado cõta iso vereis vos la se vos vem bem e se he cousa pa desquamsardes bem creyo eu q sera ela de boa gente e muyto omrada mas todavia folgarey eu que teveses vos cousa en q desquamsases e como iso fose cousa boa não tinhãs vos nesesidade de minha lisemsa q eu seria cõtemte do que vos foses aguora olhai vos la o que vos cumpre q ya aguora tendes idade pa iso/ qamto he do voso neguosio q me mãdastes dizer/ que qua deixastes em poder de pero frz o escrivão da rainha não vos paresa q me esquese quantas vezes lho vou a lembar/ e aguora muyto milhor ho poso fazer porque paso pola porta porque se mudou vosa irmã p ahi mas segumda fra lhe falei e apertey tamto ele q me disese se avya d emtrar a rainha sedo nese despacho ele me dise q sedo e dahi não sei o que sera/ eu follgaria tamto como vos e mais ainda/ a carta que me mãdais pedir de dona ana/ loguo mãdey aquele dia que la fuy/ vos me disestes q vola mãdase a moura/ eu loguo a mãdei em cudamdo que estiveses ahi allgũs par de dias e vos tivestes tamanha presa q loguo vos fostes e não quisestes espeRar pola carta/ vosa irmã branqua sousa quabrall ha tem/ e lhe mãdei dizer q vola mãdase por pesoa serta por ele que não achou quẽ vola levase/ se vos porvemtura souberdes quẽ ven pa moura podelhe hir pedir a carta a vosa yrmã q a tem/ o sor duarte de sousa esta muyto menẽquorio de vos porque vos fostes e sem lhe falardes. e lhe dardes cõta de vos mas porem se ele aquy estevera ele vos escrevera. mas he hido daquy a trimta leguõas busquar hũs gaviãs vosas yrmãs fico de saude rogando a noso sor q vos de muyta vyda e muyta saude oye treze dias do mes de yulho 1558

quanto he ao que mẽ mãdastes dizer de dom fernão d allvres q vos fezera boa cõpanhia e vos agazalhara muyto bem follguo muyto niso

de vosa May ynes bautista


Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload textText viewWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewSentence view