PT | EN | ES

Main Menu


Powered by TEITOK
Maarten Janssen, 2014-

PSCR1387

1672. Carta de Aarão da Silva para o primo François de Martin.

Author(s)

Aarão da Silva      

Addressee(s)

François de Martin                        

Summary

O autor descreve as remessas que foram enviadas, lamenta as vicissitudes enfrentadas quanto ao gado ali chegado e apresenta um pedido de bens necessários à sua subsistência naquele território. Relata ainda as dificuldades que tem passado na educação do sobrinho, o qual se tem revelado bastante contrariado na adaptação ao trabalho naquela colónia.
Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Sr Pro fransois de Martin Serinão pro 7bro 1672

Escrevi a VM nos navios q Ds aja levado em paz e no vocho aonde carega 18 ousoves de asucar consinados a VM con rs 11636 e no navio são Juan 5 ousoves con rs 3495 q espero q o dia de oje não avendo sido ruim suseso ajão chegado a eses portos e q gozasen de bons presos pr serem bons e o mesmo pr a ocasião da gerra; como tamben averão gozado os q forão no navio Ana pois disen avião tomado reputasão e Cada dia tomavão mais; sinto o baixo preso pr o q VM vendeu os q forão no navio de Adrian tant; comforme me dixe meu sobro e de a 12 somana q he chegado a esta não e vinda nihũa embarcasão e não deixamos de estar con mto cudado e nosas fazendas ariscadas; se bem estamos asas forteficados de soldados e mantimtos e sobretudo temos comfiansa en deus q nos a de escapar e q no pro navio nos traga novas de pazes q he o que mais nos comben Ja tenho avizado o suseso q tiverão os 8 cavalos q me vierão; 3 morerão no mar e 2 asi como chegarão a terra de q se a de pagar o frete deles q e assas perda; e o mesmo de outros q eu tinha en caza tambem me morerão o q sinto mais pela falta q tenho de qm me moha a Cana e perdi este ano hũa pouca donde avia de fazer algun asucre o q sinto agora mais q nunca pr não poder remeter a esa partida nos navios q estão postos a Carga inda q fozen sem seguro como faso neste q Ds leve em paz pr nome berek corf de 6 ousoves de asucre q importão como parese da Cargasão rs 3805 q VM sera serdo de vendelos como lhe pareser deixando tudo a sua Eleisão; tambem teño caregado no navio Aerdemburgh q partira dentro de 3 somanas 5 ousoves de asucre e 2 bariletes; e ven de ciote con rs e vai em como o passado e sobre tudo me fara de seguro nele fl quinentos não valendo o premio mais de a 20 pr sto: e no navio Wit Zee part fl mil; q entendo parte nesta mesma ocasião; e seginte a ele no navio Jorge nicolas aonde me fara de seguro fl quatrosentos; e seginte a ele no navio Susana me segurara fl dois mil q como o dia de oje ai tanto risco e a pesoa tem pouco o não quixera corer; todas as oras esperamos venha hua fragata de Zelanda e nela me venha o resto q la ficou; VM me avera mando a conta do custo q fixerão os Cavalos con o mais q ven Con eles con novas de paz; e de sua saude; advirto a VM q inda q asima digo q valendo o premio mais de 20 pr sto me não segure; espero nisso e no demais fara como Couza propia pois esta ao pe da obra e deixo tudo a sua Eleisão q he qto hofrese deus a VM gde ds||deus nesta ocasião escrevo a nosa pra rica da silva e lhe digo pa q en nihum tempo tenha rezão de queixarse de mi de q lhe não manifestei o pouco q meu sobro Jacob avia avansado en 20 meses de tempo q a que aqui chegou sabe o dia de oje menos pr eu não ter nego en q ocupalo q e o mais q esperta aos mossos; alguns tempos o entretive en escrever e Contar e Como lhe não e mais afeisoado se emfado e deitou de parte e Como aqui não podia ensinar mais do q digo ou ben quando se fas asucar ter conta no ingenho e olhar pr os Cavalos q e o mais q aqui avemos mister e E Infadandose tambem diso me respondeu q sua main o não avia mando pa apender a andar con os Cavalos; non menos ele avia de gañar sua vida nisso nen no escrever e Isto con mto desaforo; ao q lhe respondi como devia con reprendelo e quebrarlhe mil vezes os olhos o q nele obrou tão pouco como o deixar de mentir pois Jamais na sua boa se achou Verdade e Como vejo q não aproveita nada pa q tenha emenda e o pouco q nesta a de avansar me resolvi de avizar a sua main de seu estado; e q se lhe paresia mandase o faria en respta desta; pareseme tem vontade de aprender a Joeleiro, se a da nosa pra o Quixer asi lhe avizo; VM me fara merse de polo em parte donde o fasa e o q custar o pagara pr minha cta perdoe deus a seu pai pois lhe deu tão ruim ensino pois tem tão pouco respeito a todos e quase mo perdeu a mi e tudo Cauzado de ter pouco entendimto e prasa deus não fasa pior a sua main q comforme seu pouco talento imagino o fara e lhe sertifico q aver dado noutro poder q no meu ouvera feito pior prq ate agora lhe não a faltado Castigo e reprensão; podera ser q con a idade aja algun nela nesta ocasião escrevo a paulo pinto e lhe peso me mande alguns mantimtos pa Caza como os passados pr seren mais comodos q nesa e lhe digo se Valha do q custaran de VM a qm peso satisfasa sentandoos en ma cta e o mesmo de q me mande no pro pa q asente no meu Livro e vamos de acordo o q ate agora não tenho feito- no navio wite Zeepart q vai en compa deste mando a VM huns poucos de asucres de q a Cargasão e Coñesimto vai con esta; entre os quais vão 3 barilones no 2 q manda Mosch araquelina e o no 3 VM vendera e seu nto rendimto Emtregara a sra minha sobra Rifeca del sotto q manda minha sobra pa q lhe compre alguas couziñas q he qto se ofres Ds asin gde en compa de todos os da obrigasão en qm me recomenda

po de VM Arão da Silva

o seguro q mando fazer no navio Jorge nicolas são fl quatrosentos VM se servira segurarme seissentos


Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload textText viewSentence view