PT | EN | ES

Menú principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

Visualización por frase

1791. Carta enviada da prisão por Francisco Henriques, alfaiate, à mulher, Inácia de Jesus.

ResumenUm marido escreve à mulher pedindo que arranje quem interceda por ele e o tire da prisão.
Autor(es) Francisco Henriques
Destinatario(s) Inácia de Jesus            
Desde Portugal, Lisboa
Para S.l.
Contexto

O réu deste processo agrediu Vital de Medeiros por este último lhe ter tentado tirar a mulher. Vital de Medeiros era trabalhador de estanco (no Jardim do Tabaco) e, segundo o réu, perseguia constantemente Inácia de Jesus, tentando convencê-la a deixar o marido e a voltar para a casa onde fora criada desde pequena: a sua. Na correspondência estão presentes várias súplicas de Francisco Henriques no sentido de alguém interceder por ele e de o conseguir soltar, sendo sobretudo referidas nesse papel de intercessoras a mulher de Vital de Medeiros, a quem o réu chama "sogra" e "mãe", e a Regente da Roda dos Expostos da Real Casa. Quando escrevia à mulher, o réu fazia cartas autógrafas, mas quando escrevia à sogra, já ditava as suas cartas a um escriba de letra mais perfeita. Francisco Henriques acabou por ser condenado a 4 anos de degredo em Castro Marim, apesar de a acusação ter pedido 8 anos na Índia, prática ainda comum e que não deixava de causar grande angústia, já que era muitas vezes uma viagem sem regresso. O procurador que o defendeu, insurgindo-se contra a falta de universalidade da justiça, mostra-nos como os primeiros ecos da Revolução Francesa já se faziam ouvir em Portugal: “Se o miserável do R. não casasse ou depois anuísse, ou ao menos disfarçasse as seduções q. o A. fazia a sua mulher, não veríamos esta tão injusta perseguição, mas tudo acontece a quem é pobre, e honrado, fechando-se-lhe até as portas da sua justa defesa…”.

Soporte meia folha de papel não dobrada escrita no rosto.
Archivo Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Casa da Suplicação
Fondo Feitos Findos, Processos-Crime
Referencia archivística Letra V, Maço 6, Número 32, Caixa 11, Caderno [1]
Folios 18r
Transcripción Sara de França Sousa
Revisión principal Rita Marquilhas
Contextualización Miguel Cruz
Normalización Clara Pinto
Anotación POS Clara Pinto, Catarina Carvalheiro
Fecha de transcipción2009

Texto: -

Etiquetas:


[1]
Minha munto amada do meu coracão Inasia de jazus
[2]
eu tenho a notisia de q tu istas de saude
[3]
deos ta comcerve como tu dezejas
[4]
eu ca vou pasando co muntas afiLisois a respeito do meu Libramento
[5]
eu istava comfiado em q esa cinhora q emtrecidia por mim porem vejo o cazo munto mal parado
[6]
eu ei de Ser citado da parte oje
[7]
pois se tu me não vales peLo amor deos eu istou perdido
[8]
eu pesote pelo amor deos q te Lenbres q eu sou teu marido
[9]
pois torna a pedir a Senhora q pedia por mim que me valha pelo amor deos pois não tenho quem me valha como tu dem cabes
[10]
pois creio que me quer mandar de bara fora
[11]
eu não poso dar noticia do nosso menino
[12]
mandame Logo resposta
[13]
espero q seja boa
[14]
des teu marido francisco amriques
[15]
eu te peso pelas cinco xagas de meu senhor jazus cristo q fesas toda a deligencia pela minha libardade

Text viewWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewSyntactic annotation