PT | EN | ES

Menú principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

Visualización por frase

[1829]. Carta de uma autora não identificada para José Moro, espanhol, preso.

Autor(es)

Anónima11      

Destinatario(s)

José Moro                        

Resumen

Carta de amor com queixumes a um destinatário que estava na prisão. No verso deste suporte foi feita posteriormente a carta editada como PS6024.

Texto: -

Etiquetas:


[1]
Unico Emprego dos Meus Sentidos
[2]
Não sabe o qto me custa ser precizo eu pedir-lhe a resposta das Minhas encegneficantes Cartas pois Vmce a podia ter feito quando eu ahi chego pois tem tempo para isso
[3]
pois he o q mais me custa ser precizo eu Sempre pedirlhe a reposta destas incegneficantes Letras q para Vmce Tão esquecidas São
[4]
e as suas para mim Tão as trago retratadas nas minhas Edeias pois asim o meu triste Coração tera aLivio do Martirio em q esta posto qdo veijo as vossas Lindas Espreções e o vosso aLegre rosto q tão triste esta e tão aLegre se mostra qdo ve a minha triste Figura q ja não tem perfeita aLegria
[5]
a tenho qdo veijo as vossas Lindas Espreções que me fazem Cativar de tal maneira q de tudo me esqueço i ço de Voz me Lembro
[6]
Seos
[7]
se eu pençace q a noça amizade estava por pouco tempo mais me valia antes não nascer do que Verme Auzente de hum bem querido por qm eu tanto suspiro e clamo
[8]
se a voça Libardade estivece na minha mão eu por Vos daria a propria vida e me daria por Satisfeita pois esta nas Mãos de Deos.
[9]
Querido se por aCazo algum dia Se auzentar desta terra para fora Lembrece sempre da Minha amizade para com a sua q so por morte tera fim
[10]
aseite o Meu Coração Saudozo q esta esperando alivio das Voças Letras.
[11]
Triste estou e triste me vejo Sem a Vossa Companhia Tão triste que não me Lembro Se aLegre fui algum dia

Text viewWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewSyntactic annotation