PT | EN | ES

Menú principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

Visualización por frase

[1829]. Carta escrita por Bartolomeu Luís e dirigida a um elemento da Intendência Geral da Polícia da Corte e Reino.

Autor(es)

Bartolomeu Luís      

Destinatario(s)

Anónimo121                        

Resumen

Bartolomeu Luís denuncia Rosendo António por difamar o Rei.

Texto: -

Etiquetas:


anteriores


[1]
Por ser fiel Vacalo, obidiente as Leis do Nosso Amado Soberano, e o seu Legitimo Governo. Partiçipo a V Exa que por toda a Calcada de Ajuda, e Bairro de Bellem se diz, e francamente se tem devulgado; que sendo prezo Rozendo Antonio, com caza de Pasto na Calcada de Ajuda, por muitas balafemias, que dizia, e publicamente falava contra o Legitimo Governo do Nosso Augusto Sobreano: esteve este maldito homem prezo na Cadeia de Bellem, huns poucos de dias;
[2]
este malhado humas testemunhas de mau Credito, e athe algumas forão dimitidas do R Serviso, por indignos, e de muito maos creditos, outros malhados emcobertos e comprados por dinheiro.
[3]
Sahio o dito malevolo, que não chegou a estar hum mez prezo.
[4]
Corre a noctiçia e esta devulgado, q fora solto, e livre por serta quantia de dinheiro que dera
[5]
gritão, e dizem todos, que tal está a Justiasa,
[6]
por toda a parte se houve dizer; seja este homem preguntado, e emdagado, por Juiz imparçial, e recto, e dezemtersado,
[7]
a quem deu este Criminozo essa soma de dinheiro,
[8]
qual foi a quantia,
[9]
por onde manou,
[10]
quem forão os seos Agentes.
[11]
Seja emdagado, o procidimento das testemunhas, se tem credito,
[12]
mande V Exa V Exa tirar huma huma seria devassa para verdadeiro conhecimento,
[13]
so asim se pode evitar, semelhantes desreditos;
[14]
que será, se chegar a Real Prezca de S Magde q se vende, e se compra a Justissa,
[15]
e os imfrantores são aquelles q não devem de infregir as Leis do Soberano, e dezacreditando os rectos Ministros de S M
[16]
e q será se forem os sugeitos de qm corre a fama;
[17]
devem de ser punidos, e castigados, semelhantes procidimentos, que tanto dezacreditão o Legitimo Governo de S M
[18]
e q afronta não he pa Ministro recto, e inteiro,
[19]
deve de estar louco qm Comete semelhantes Crimes; muito embora seja perdoado, e sua porta aberta, pa subsistir, a sua fama
[20]
mas seia, pela Alta Grandeza, e Piede do Augusto Soberano;
[21]
mas por Crime. q tanto dezacredita os verdadeiros, e fieis Ministros; seja este homem preguntado, e inquirido, e visto o seu prosseco, e huma justa, e escurpuloza devasa, athe se saber quem recebeo a soma q esta divulgada, pa q não se infriga as Leis, e os exzecritores dellas sejão mais fieys à S M e áos seus Minos
[22]
repare V Exa nisto, porq se os aCeitantes são os q se dizem, são dignos de Contemplacão.
[23]
Sou de V EXa muito devedor e o Criado Bartholomeu Luiz

Text viewWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewSyntactic annotation