PT | EN | ES

Menú principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

Visualización por frase

1819. Carta de Manuel José Tarreja para seu primo Francisco Xavier Vieira Martins, criado de servir.

ResumenO primo de Francisco Xavier escreve-lhe pedindo notícias e fala-lhe da família.
Autor(es) Manuel José Tarreja
Destinatario(s) Francisco Xavier Vieira Martins            
Desde Portugal, Valença, Badim
Para Portugal, Viseu, Corga
Contexto

Francisco Xavier foi indiciado, juntamente com a sua mãe, Joaquina Maria, e com António Feliciano, num assalto à casa de João de Oliveira, guarda da cadeia da Corte, situada no pátio das Parreiras, em Lisboa, no dia 27 de dezembro de 1819. O réu foi acusado de furtar alguns bens, entre os quais uma farda do filho do guarda, que era soldado de infantaria em Peniche. Foram presos na madrugada de 28 para 29 daquele mês numa casa onde supostamente moravam, na travessa de S. Bartolomeu, cuja porta foi arrombada por um Oficial de Terreiro, Sebastião dos Paços, em presença de testemunhas, do Alcaide do Bairro do Castelo e de um escrivão. Nesta casa, foram apreendidas diversas roupas e bens, entre os quais se contava a referida farda, um livro intitulado 'Contos Arábicos' , outro intitulado 'Thezouro de Meninos' e uma caixa de pinho encarnada com fechadura sem chave, onde estavam vários papéis, anexados ao processo crime. Entre os objetos achados pelas autoridades, encontraram-se ainda materiais usados em assaltos, escondidos em diferentes partes da casa. O processo contém, para além de 8 cartas, entre as quais a CARDS0184, um desenho de 2 gazuas, de um martelo e de uma faca, uma listagem de moedas de vários países e uma relação do roubo de que tinha sido vítima João de Oliveira.

Maria Joaquina, na ausência de provas de ligação aos criminosos, foi libertada. Francisco Xavier, por seu turno, declarou-se inocente e solicitou ser solto por carta de 24 de janeiro de 1820, tendo sido ouvidas testemunhas abonatórias (moradoras na freguesia da Pena e da Encarnação, suas vizinhas), que confirmaram a sua boa conduta.

Soporte meia folha de papel dobrada escrita na primeira face, e com sobrescrito na última.
Archivo Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Casa da Suplicação
Fondo Feitos Findos, Processos-Crime
Referencia archivística Letra F, Maço 11, Número 25, Caixa 26, Caderno [6]
Folios [13]r-[14]v
Transcripción Leonor Tavares
Revisión principal Cristina Albino
Contextualización Leonor Tavares
Normalización Catarina Carvalheiro
Anotación POS Clara Pinto, Catarina Carvalheiro
Fecha de transcipción2007

Texto: -

Etiquetas:


[1]
Hoje 25 de julho d 1819
[2]
Francisco
[3]
Mto estimarei que tenhans saude E com compa de tua Mai pois A ma e de tuas primas he mto boma e fica esperando ocaziois de teu servico la
[4]
A tempos que te escrevi hua carta e Não tive resposta
[5]
Nela te mandei dizer que teu Paỹ Me dice que escrevese A tua Mai pa ela falar com o fiador da ma despenca
[6]
dis ele que ela lhe escrevera duas cartas
[7]
A respto da despenca diceme teu pai que falace tua Mai com o tal Antes que ele lhe mandace fazer Alguma desfeita
[8]
Asim dis A tua Mai que Veja se ma pode Mandar pois he pa o Abe estar descancado pois tenho medo que no S Miguel Me facao Alguma desfeita
[9]
Visto não Aver Remedio senão paguarse eu la requeri outra
[10]
mas diz o Abe que Apronte a outra Visto o istar pacada
[11]
eu Arendei huns brs Na eira em ri douro
[12]
vou pa la Mai pordencia
[13]
fica Mel e maria e lionizia
[14]
Na eira portanto quero Aranjar A ma vida
[15]
ainda que pereca sera pois estou farto de badim
[16]
fasme hua Vezita a Mai e mtas vezitas de todos os de caza e da Senhorinha de corga
[17]
espero resposta logo logo
[18]
Asim mostrarei pam
[19]
de ti Menor Criado
[20]
Manoel José tarreja

Text viewWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewSyntactic annotation