PT | EN | ES

Menú principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

Visualización por frase

[1788-1790]. Carta de Nicolau de Santo Agostinho, padre, para Ana Vitória.

Autor(es)

Nicolau de Santo Agostinho      

Destinatario(s)

Ana Vitória                        

Resumen

O autor escreve a Ana Vitória, estranhando ter ficado algum tempo sem receber notícias suas. Refere que, apesar da distância e de as cartas trocadas entre ambos não servirem de muito consolo, poderiam servir como um desabafo para a destinatária, para aliviar as suas mágoas e queixas. Diz não saber quando voltará para a zona de Setúbal e, por fim, aconselha-a a não se queixar, pois assim incorreria em pecado.

Texto: -

Etiquetas:


[1]
J M J,
[2]
Minha mto amada filha em Jezu Christo
[3]
este Sr se compadeça de ti, e te algum alivio, e consolação, pa poderes continuar no seu sto serviço com fervor, e diligencia.
[4]
A falta de noticias tuas me dava ja algum cuido porem graças a ds q te rezolvestes a escrever.
[5]
Eu bem sei q as cartas de pouco alivio te podem servir; porem sempre o coração dezafoga alguma coi-za em dizer os seus trabalhos; por cuja cauza eu não me aflijo com as tuas cartas, ainda que sejão extensas,
[6]
tomara eu poderte remediar; porem eu não sei o q N Sr disporá de mim.
[7]
Não sei se me continuarão aqui, ou se me mandarão pa outra parte.
[8]
Se me não derem ocupa-ção alguma, sempre faço tenção de hir pa essa terra; ainda q de Lisboa estão suspirando por mim,
[9]
e tem rezão; porq ha sete annos, q não confessão comigo.
[10]
As daqui q são oito tãobem me dezejão , mas eu tenhome posto indiferente pa tudo o q N Sr quiser.
[11]
Em qto ao q me dizes da tua consciencia digo q não estás em peccado mortal; porq julgo q te terás conservado como qdo eu estava.
[12]
As tentaçoens não são peccado senão qdo se querem, e abração mas não qdo mortificão, afligem, e desconsolão.
[13]
Em qto ás murmuraçoens, como tu não murmures, nem concorres pa q outras o fação, não tens peccado, ainda q o ouças fazer;
[14]
mas não mostres gosto de ouvir murmurar.
[15]
E socega com os teus escrupulos, q não são nada, e servem de te atormentar.
[16]
Cuida em fazer a Oração e se te não podes levantar cedo, fazea qdo estiveres á Missa, q então a ouves melhor, ou qdo estiveres no trabalho; porq mto bem podem as mãos trabalhar e o Coração amar;
[17]
mas não faças mta aplicação com a Cabeça q isso te pode fazer mal,
[18]
lembrate de q estás na preza de N Sr e poemte a conversar com elle no teu coração pedindolhe se compadeça de ti; e q te não dezempare, q te assiste sempre, com a sua divina graça pa q o não offendas; e q te o seu amor.
[19]
Porem tudo isto com socego, e serenide do Coração, e sem aflição.
[20]
Deste modo agradarás a N Sr e hirás crescendo em virtudes.
[21]
se te podes confessar mais amiudo, e se não achares a Fr Pedro, o podes fazer a Fr Alexandre, q ja ha de ter recolhido.
[22]
E como nos dias de mais devoção elles vão fora, e não te poderão confessar, podes hir na vespera, confes-sarte, e comunga, e no outro dia podes comungar sem te confessares desprezando duvidas, e não fazendo cazo de escrupulos.
[23]
Encomendame a Ds q te gde como mto dezejo, e abraze no fogo do seu Rico amor.
[24]
Faro Sinco de Maio.
[25]
Fr Nicoláo.

Text viewWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow view