PT | EN | ES

Menú principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

Visualización por frase

[1788-1790]. Carta de Nicolau de Santo Agostinho, padre, para Ana Vitória.

Autor(es)

Nicolau de Santo Agostinho      

Destinatario(s)

Ana Vitória                        

Resumen

O autor escreve a Ana Vitória para tentar animá-la, pois na última carta ela voltou a referir-lhe uma propensão para a preguiça e moleza corporal; encoraja-a a pensar que isso são obras do demónio e que ele iria fazer com que esse mal não a atingisse mais. Termina com queixas e notícias do sítio onde está.

Texto: -

Etiquetas:


[1]
J M J,
[2]
Minha filha em Jezus Christo
[3]
este Sr te assista sempre com a sua divina graça e te mto do seu amor, e fortaleza no corpo, e no espto pa q possas continuar no seu sto serviço.
[4]
Vejo o q me dizes das tuas fraquezas, e molezas do Corpo, e não julgo seja encarecimto pois observei sempre em ti esta debilide e não duvido q agora seja mayor,
[5]
pode ser seja effeito natural; porem como o demonio te faz tanta guerra tãobem pode ser seja obra sua,
[6]
e se o he eu Renovo os preceitos, q lhe tenho posto, e lhe mando q sus-penda desde ja qualquer operação q em ti tenha.
[7]
Vai tu sempre fazendo diligencia por comer, e por te venceres a fazer a oração, e mais couzas do serviços de N Sr do modo, q puderes, pa q o demonio se não Ria de ti.
[8]
No q toca ás Confissoens, acomodate com o q achares, e como não tens achado a Fr Pedro em tantas vezes, q o tens buscado, pareceme es-cuzado cansareste em hir a são Frco
[9]
mais acertado me parece aviareste na Freguezia, e nos segtes fras hires a Coraneanes,
[10]
mas faze sempre nisso o q te fizer mais comodo, e segdo a dispozição, em q te achares; porq eu o q quero he q te confesses, e comungues com frequencia, pa poderes ficar mais fortalecida com a graça do sacramto
[11]
Eu entendo q agora não tens mais peccados q os q tinhas qdo eu la estava, e assim podes comungar alguma vez sem te confessares, qdo te sentires mais dezembaraçada, e depoem todo o temor, e escrupulo sobre as tuas confissoens,
[12]
e não julgues peccado mortal senão o q fizeres com plano, e perfeita adver-tencia de q o he, e com vonte de todo determinada,
[13]
mas em cazo de duvida, assenta q he escrupulo, e não duvida formal, e podes socegar.
[14]
Não tenhas desconfiança de q não leyo as tuas cartas; porq o faço ordinariamte duas vezes, huma qdo as Recebo, e outra qdo hei de responder.
[15]
Eu graças a ds tenho passado bem ate agora,
[16]
daqui por diante não sei o q será,
[17]
tãobem não sei, nem posso saber, se ficarei pello Capitulo; porq como isso depende da vonte dos Prelados, não sei o q elles farão,
[18]
o q sei he q não hei de gostar nada, se me deixarem ficar,
[19]
e sempre faço tenção de fazer diliga por me hir embora; porq não gosto nada destas Freiras,
[20]
sim são mto boas, mas não gostão das comunhoens, e ordinariamte não comungão senão aos quinze dias, ou pouco menos, e outras couzas mais, q são pouco de meu gosto;
[21]
e assim com violencia poderei ficar, assim como com violencia vim pa .
[22]
Não posso agora mais, q estou ja agoniado com calma.
[23]
Encomendame a ds q te gde como mto dezejo.
[24]
Faro treze de Mayo.
[25]
Fr Nicoláo.
[26]
Recomendame a tua Irmam, e a quiteria.

Text viewWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewSyntactic annotation