PT | EN | ES

Menú principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

PSCR0589

1764. Carta de Ana Maria da Costa para o seu marido, José Gonçalves, marinheiro.

Autor(es)

Ana Maria da Costa      

Destinatario(s)

José Gonçalves                        

Resumen

A autora dá notícias ao marido e pede-lhe que volte para casa rapidamente.
Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

J M J

Meu rico irmãozinho mto amado e Do meu emfenito c estimarei q estas saudozas Letras voz achem com prefeita saude asim como o meu amor voz Dezeja pa que Da minha vez scrivaiz e De toDoz De noza obrigasão que mto pronptos ficamoz pa em tudo voz dra gosto e não faltarei como irmã q mto voz quer e ama e Dezeja ver o q espero em Dz e em sua mai santisima q voz aveis De ser a repozta Desta pa alivio Daz saudadez em que vivo na vosa auzensia e a vosa vista espero alivialas e tera o meu corasão alegria resevi alguma qdo resevi as vosaz DezejaDas letras que as estimei como prendas De soviDo valor em saver novas Da vosa vida e saude Da vosa prena e me dizeis ficaraz bom e sem molestia na vosa prena esa notisia me Da grande alivio pois Dz save a pena e cuidado q a vosa queixa e auzensia me deu emcomendadovoz senpre a Dz e a sua mai santisima Do rozario De noute e de dia e com mtas emfenitas lagrimas premeti a nosa sra Do rozario a prenda Dos corais azurez q me voz deztez q se voz Dese saude q logo lha hia pro e asim como tivé crata vosa com tão bomas notisiaz logo a foi pro no braso De nosa sra poiz a mereseo pro tão grde milagre q me fez e haver livre De prigoz e me Deixe a vosa vida para meu inparo e savereis tenho tomado mta paixão meu rico irmão pla vosa moleztia ser na tera alheia q se fora na ma compa menoz a sintiria pois trataria De voz como o voso amor merese e eu tenho De obrigasão porem nosa sra Do rozario he milhor emfremeira Do q eu eu a ela voz emtreguei e emtrego ela voz traga mto seDo a ma vista e pa anbei lhe hirmoz rendre as grasas plaz mersez e favorez q noz faz me aDemira meu rico irmão asim como voz achaztez com milhoraz não virez logo pa esta terra q ese hera o meu gozto ese hera o meu gozto e fico com mto sintimto em me dizerez hiaz pa a cozta Da mina Dz save no suzto em que fico pro ser terra prigoza e Doentia nosa sra Do Rozario noz governe a todos na sua Divina grasa e voz saude e vida e voz peso plo amor De Dz se vierez em paz voz não troneiz a rizcra e vinde pa caza como espero sem falta com mto ou pouco q noso sor voz Der ele noz ajudará q eu estimo maiz a vosa vida Do q quanta conviniensia pode aver e estimarei q duaz camizas q voz mandei voz chegasẽ a mão maz se não chegasẽ será prego na ma pasiensia savereiz q az mandei a presa e tanto a presa forão feitas que toda huma noute cozi so plas acavar e az dei o verisimo Do camacho maz qdo chegou a Lxa. ja não achou lugra mandoume dizer az remeteraz pro pesoa sreta maz pro nome me não Dise qm era o que mto sinto se volaz não Derõ ficarez voz DezeromediaDo mas esa culpa não tenho eu bem saveis como aqui explico a ma Deligensia e mta maiz me merese o voso amor e preDoaime meu rico irmão Nezta frota não mandra alguma couza mas he proq ezpero pro voz sem falta e savereiz que cazou noso irmão com a maria De Lente e ja tem fo pro morgado e noso sor tambem a seu tenpo noz De Dra algũ em grasa sua pa ma compa e nesa esperansa fico poiz me não poso ver so entre duas pareDez chorava De noute e De Dia cuidando fora criada entre tanta gente e me via porem senpre hia com saude na esperansa De noz vermoz mto sedo maz meu rico irmão Deime huma grande molestia De q não podia estra foi pa caza De nosa irmã maria pa tratra De mim e la levei sinco sangrias e algumas couzinhas mais q forão nesesarias pro ordẽ Do sorgião porem agora ja ando boma grasaz a Dz e seDo faz ano q da nosa caza sahi e inda estou com ma irmã pro não estra esperando pro voz intão hiremoz pa Donde voz quizerez e savereiz q foi Dz sreviDo levra voso sobrinho fo de mel rodriguez De suseso e Dezgria grde estando caregando huma ezpingraDa se lhe Deparou pro huma mão e lha levou cazio toda e o sorgião lhe arou a cura foi cauza Da sua morte noso sor a todos livre De maz susesoz mas tudo seria vonte De Dz ele noz De boma morte e voso cunhado mel rodriguez voz manda mtaz saudez e q De az mes az mezmaz o seu fo e lhe Digaiz q lhe escreva pois se tem ezquesiDo Dele e De noso pai e De nosaz irmãs ms irmãos mts e De toDoz De nosa obrigasão aseita emfenitaz saudadez e az minhaz comvozco Não tem fim Dezta vosa irmã q mto mto voz quer e ama e Deza ver frime emthé morte Ana Maria da Costa

hoje quintam quinze De marso

meu rico irmão mto me aDemira não me falarez na tua crata em noso tio Luis anto fico maginando q teras mandase ele Dizer alguma couza q agravase que iso sintirei eu mto maz tu bem savez meu rico irmão q esa clupa não tenho eu o q eu Dezo verte e o mais cada qual como em sua caza se tem quẽ e eu não me inporto senão a Deoz i mazi a ti ele te traga mto sedo a ma vista Verissimo do Camaxo na soma ca qui vay pa imgola esta metendo pipaz


Leyenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload textText viewWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewVisualización por frase