PT | EN | ES

Menú principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

PS1098

[1580-1600]. Carta de dona Filipa de Jesus de Portugal, freira, para dona Marta de Alpoim.

ResumenA autora lamenta-se, dando detalhes do cativeiro a que está sujeita e pedindo notícias de familiares e amigos.
Autor(es) Filipa de Jesus de Portugal
Destinatario(s) Marta de Alpoim            
Desde S.l.
Para Portugal, Coimbra, Miranda do Corvo, Convento de Santa Maria de Semide
Contexto

A correspondência de D. Filipa que se conservou em Simancas acompanha uma série de cartas provenientes de Lisboa dentro de um maço intitulado "Diversos papeles, relaciones, copias de cartas y otras cosas tocantes a Portugal y la pacificación de algunos lugares de aquel reino [...]. Todo ello desde el año de 1583 hasta el de 1587". O correio fora originalmente apreendido estando D. Filipa reclusa, em clausura imposta por D. Filipe I de Portugal, num contexto de perseguição aos apoiantes de D. António. As suas cartas refletem as ligações que mantinha com diversos conventos cistercienses e amigos espalhados pelo reino de Portugal. Efetivamente, várias cartas são dirigidas direta ou indiretamente ao convento de Santa Maria de Semide (também conhecido como Mosteiro de Nossa Senhora da Assunção) e ao convento de Odivelas. Exilada em diversos conventos no reino de Castela, separada da família e sem meios de sustento, D. Filipa não cessou de escrever. Há vários argumentos a fundamentar a hipótese de as suas cartas terem sido apreendidas já no tempo da união das duas coroas e de esta filha de D. António ter sido afastada por D. Filipe I de Portugal. Nas cartas, leem-se alusões diretas à ausência de compaixão daquele monarca, frequentes queixas acerca das condições em que a freira se encontrava, além de a sua escrita evidenciar a adoção de léxico e expressões castelhanas. Uma sua irmã, D. Luísa de Portugal, igualmente freira, foi também desterrada para aquele reino, mas em regime separado.

A D. Filipa e à sua correspondência se refere Fernando Bouza Álvarez (2000); às duas irmãs, alude Jacqueline Hermann (2010).

A presente carta surge no corpo de outra carta (PS1095), de dona Filipa de Jesus para dona Constança de Noronha, abadessa.

Bibliografia:

Bouza Álvarez, Fernando (2000), "Cartas, traças e sátiras. Política, cultura e representações no Portugal dos Filipes 1580-1668", Portugal no Tempo dos Filipes, Lisboa, Cosmos, pp. 19-38.

Hermann, Jacqueline (2010), "Um rei indesejado: notas sobre a trajetória política de D. Antônio, Prior do Crato", Revista Brasileira de História, v. 30, nº 59, 2010, p. 141-166.

Soporte duas folhas de papel dobradas, escritas em seis faces e com sobrescrito na última.
Archivo Archivo General de Simancas
Repository Consejo de Estado
Fondo legajo 429
Referencia archivística
Folios 46r-[46b]v
Socio-Historical Keywords Ana Leitão
Transcripción Ana Leitão
Revisión principal Rita Marquilhas
Normalización Catarina Carvalheiro
Anotación POS Clara Pinto, Catarina Carvalheiro
Fecha de transcipción2014

Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

snra minha

dia da naçẽça do filho de ds me forão dadas as cartas desas minhas snras ee a vosa a qual foi de mĩn riçibida tãtas lagrimas proçididas da grãde dor deste coração voso que cudei minha snra que se me acabava ha vida sẽi vos primeiro ver e sẽi vos ter sirvida cõmo desejjo e cõmo cudei q podese mil vezes a leio mãs se me afigura que foi feita tão pouco gosto cõmo ẽn vos minh alma ha outras outras que vẽi tão ispuria cõmo sẽpre pra mĩn fostes outras cõtẽplo que de qualquer maneira que sejja foi feita por esas mãos qu esta alma vos a adorão he asin lhe dou mil bejjos auguados tãtos rrios de lagrimas que pra não se me rõper a inxugo ao lume es aqui minha snra a vida q ausẽçia e saudades vosas dão ha esta mofina cativa vosa que outra ninhũa cousa sinto senão esta verme sẽi vos minha alma minha vida e meu bẽi me tẽi feito estar nesta cãma a sete meses não vos poder minha deusa sirvir me fas ter pirdido o goso de toda a cousa da vida e as poucas e fracas esperãças q de vos tornar a ver tẽnho fazẽi estes desa vintura dos olhos serẽi sẽpre fõtes. sejja ds lovado cõtudo jjusto jjuizo e seu o que eu padeso castigo he q meus pecados remereçẽi mas ãtes ẽn ter cõta comigo pra me não deixar cair ẽn tãtas ẽn desesperação usa comigo cõmo pater misericordiarũ. porq se esta mão divina não fora qual coração umãno overa que podera perder tal pai cõmo eu destero tãtas niçiçidades pra as quais nẽi por esmola real tẽnho nẽi me dão de sua majjestade doẽças prizão me não deixarẽi ver nẽi falar a pa ninhũa ãtre jjẽte estrãnha apartada ate desa irmã q comigo veio sẽi me fiar nẽi de dar ũ ai õnde me oução q ate dos sãtos de ca ei medo e por mais usar comigo furtuna de crueldade ausẽte de vos sẽto e vinti seis legoas que sobre tudo sinto. minha snra saberes que des a primeira outava tẽnho começada esta e des ãtão ate este dia do bautismo ẽn que me esforsei mais pra que não fose coreio sẽi ela estou de novo nesta cãma sãgrada mtas vezes d ũ corimẽto que me deu nos dẽte e gargãta e dizẽi q o mto chorar mo fes e serto que eu não cudo q couza q tãto me descãsa me posa fazer tãto mal estou tão fraca q sera por agora inposivel escrever a outrẽi mas fazeime vos minha snra m de me disculparde prinçipalmẽte a snra prioresa. a minha mãi ma da costa escreverei por o primeiro coreio e suas quartaãs me tẽi custado mtas mtas lagrimas e provera a ds q podera ser ẽn minha mão tomalas eu ẽn mĩn que o fizera sẽi falta e serto que a brãdura da sua carta me tẽi tão abrigada quãto ate pẽdida se algũa ora por ela não ẽntẽder minha tẽção lhe queimei o sãge e se ds me descãsa ela ẽntẽdera de mĩn ẽn sirviços esta võtade. minha alma e meu amor tẽi me posta ẽn cõfuzão mãdardesme as cartas que vos iscrivi asĩn a vosa cõmo a de minha mãi mas porque cudo q foi discudo o levo ẽn paçiẽçia. mãdaime meu ãjjo mtas novas vosas e por amor de ds que vos lẽbre que na vosa saude e vida esta a minha pra que trabalhes por não ãdar tão magra cõmo me escrevẽi e mais minha snra não comais lãpreias lẽbrevos q vos fazião mto mal estou trãno que tudo me lẽbra e estou sẽtindo. mãdaime minha snra mtas novas da snra vosa mãi e da snra vosa irmã por que reçeberei mta cõsolação. aho snor frãçisco d alpoĩ bejjo mil cẽtos de vezes as mãos fiquei mto descõsolada de não ver letra sua se he posivel não mo nege q não lho mereço. se ãdre so vier ai ter dailhe meu amor mtas ẽncomẽdas da minha parte e a arĩmase a seu marido e a todas as couzas que tiverẽi nõme de vosas porque todas tẽnho n alma agora estas oras me derão meu bẽi e minha saudade ũa carta vosa sẽi outra de cõpanhia que riçibi cõmo quẽi sẽpre esta suspirãdo por elas. nela me dais minha snra a disculpa das cartas que por discudo vierão mas cõmo eu estou nesta estreiteza que nẽi chave d ũ iscritorio me deixão ter as queimei logo não me escrever minha ma da costa sĩnti mto porque tãbẽi eu tẽnho quartã dobre e isquinẽçia sãgrada mtas vezes e mais mtos desgostos e trabalhos que he espãto poder corpo umãno tãto e querolhe tãto que não poderei acabar comigo deixar de lhe escrever. o que na vosa me agardeçes minha snra de vos ẽncõmẽdar a esas minhas snras não tẽdes ubrigação pra iso porque pra mĩn he ho proveito porque não ha outro de mais meu gosto que saber eu q vos tratão elas cõmo vos minha snra mereses. tratarvos minha mãi mal de nomes sinto eu minha deusa n alma porq não he rezão senão q reprẽdẽdo e de toda a maneira vos respeitẽi e do tẽpo que eu minha snra ajjudava vos peço perdão. A minha snra dona marta que tẽpos e que tẽpo ha quẽi acabara no d ãtão a vida pra se não ver neste que farei snra que paçiẽnçia bastara que tẽnho o coração jja tão ãcebrãtado do pasado que não ãxo ẽn mĩn sofrimẽto pra o que recreçe cada dia de novo e vejjo cada ora tãtos males sẽi curso ninhũ e tão fracos remedios d esperãça ninhũa sẽi ter novas de ninhũa maneira deste mofino omẽi se he morto se vivo nẽi önde esta nẽi que he feito dele vede que jja não fora mil vezes morta quãto mais ũa senão por padeçer mais vivo asĩn padeçẽdo não vos quero mais afrigir pois não presto pra vos sirvir. pola lẽbrãça que tivestes de me fazerdes m ẽn quererdes cõvosco tão ma jjẽte cõmo as duas cadelas do pço vos bejjo minha snra as mãos mas cõmo elas o não miriçião não me espãto mẽdõça me da cudado ds ho tẽnha dela he de mĩn. de frãçisco gõçalves arãnha folgaria reposta e tãbẽi desa que mãdo pa jjeronimo botelho. ora minha snra estares jja ẽnfadada ds vos de minha saudade e minha fa da minha alma o que eu desejjo amẽ a todas esas snras me disculpai

vosa desterada mãi cativa

Leyenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload textText viewWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewVisualización por frase