PT | EN | ES

Menú principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

PSCR0719

1730. Carta de João de Sá Meneses e Silva para Luís José de Vasconcelos e Azevedo, fidalgo.

ResumenO autor pede aodestinatário que se lembre de uma pretensão que lhe apresentou anteriormente.
Autor(es) João de Sá de Menezes e Silva
Destinatario(s) Luís José de Vasconcelos e Azevedo            
Desde Portugal, Lisboa
Para S.l.
Contexto

Após a revolução Setembrista e a subsequente reforma do ensino, o estado liberal centralizou o ensino artístico juntando artistas das Belas Artes e artistas das Artes Fabris. A criação da Academia Nacional de Belas Artes de Lisboa surgiu nesse contexto: foi criada a 23 de outubro de 1836 e inaugurada em 1837. Funcionou, desde então, no extinto Convento de São Francisco, onde dispunha também de uma biblioteca com milhares de volumes. Ao longo dos anos, a Academia foi sofrendo algumas alterações, mas manteve sempre um forte pendor cultural, pedagógico e honorífico. Das atividades da Academia constam não só a formação de novos artistas como a atribuição de prémios e bolsas de estudo e a publicação de obras de grande interesse como Os Primitivos Portugueses e O Manuelino de Reinaldo dos Santos ou a revista Belas Artes.

A documentação pertencente a este fundo diz respeito, na sua maioria, a aquisições feitas pela instituição ou documentação relativa ao próprio funcionamento da mesma. No entanto, as cartas particulares recolhidas fazem parte de uma documentação cedida à instituição a 13 de junho de 1902 por António Tomás Pires (1850-1913), etnógrafo, escritor, secretário municipal de Elvas, investigador e delegado correspondente da comissão dos Monumentos Nacionais muito interessado nas tradições populares portuguesas. O acervo é composto por documentação de vários séculos (século XVI a século XIX) e reúne documentos recebidos pelos vogais da instituição e enviados ao presidente da Comissão Executiva do Conselho Superior dos Monumentos Nacionais, entre os quais cartas familiares e privadas.

Soporte meia folha de papel escrita no rosto.
Archivo Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Documentos Oferecidos
Fondo ANBA
Referencia archivística Documento 130
Folios 378r
Online Facsimile http://digitarq.arquivos.pt/details?id=4612220
Socio-Historical Keywords Mariana Gomes
Transcripción Mariana Gomes
Revisión principal Raïssa Gillier
Contextualización Leonor Tavares
Normalización Raïssa Gillier
Anotación POS Raïssa Gillier
Fecha de transcipción2016

Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Meu Amigo e meu Sor bem sei q para as pessoas como vsria Serve de injuria todo o recor-do e aplicação q se lhes fas sobre as materias de q se emcarregão, porq as suas manifestas obrigações são o despertador maes eficas, eu sempre tivi esta lei por inalteravel, e sendo certo q ningem contra ella poderá persuadirme coiza alguma, a ançia de pertendente me fas ofendella sem reparo incorrendo na inprodencia de perguntar a vsria o estado da minha pertenção em q bem creyo não poderá aver quem me perfira mediante o piatroçinio de vsria que Deos gde ms a Lxa 16 de setenbro de 1730

Sor Luis Jozeph de Vasconcelos De vsria, mto Amigo e servidor D João de de Menezes e Silva

Leyenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload textText viewWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewVisualización por frase