PT | EN | ES

Menú principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

Facsimile view

1623. Carta de Simão Garcia, "O Mouco", beneficiado em Santarém, para Amaro dos Santos, beneficiado na igreja de São Miguel de Alfama, seu sobrinho.

ResumenO autor dá notícias ao destinatário e congratula-se com o estilo de escrita do seu sobrinho.
Autor(es) Simão Garcia
Destinatario(s) Amaro dos Santos            
Desde Portugal, Santarém
Para Portugal, Lisboa
Contexto

Um apontamento processual no verso da carta indica que esta foi entregue na mesa do Santo Ofício pelo prior de São Miguel de Alfama, Diogo de Carvalho de Macedo, dizendo que lhe tinha sido mostrada pelo sobrinho do autor, Amaro dos Santos, beneficiado na mesma igreja.

Dentro do fundo do Tribunal do Santo Ofício existem as coleções de Cadernos do Promotor das inquisições de Lisboa, Évora e Coimbra. O seu âmbito é principalmente o da recolha de acusações de heresia. A partir de tais acusações, o promotor do Santo Ofício decidia proceder ou não a mais diligências, no sentido de mover processos a alguns dos acusados. Denúncias, confissões, cartas de comissários e familiares e instrução de processos são algumas das tipologias documentais que se podem encontrar nestes Cadernos. Quanto ao crime nefando e à solicitação, são culpas que não estão normalmente referidas nestes livros.

Soporte meia folha de papel escrita no rosto.
Archivo Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Tribunal do Santo Ofício
Fondo Inquisição de Lisboa
Referencia archivística Livro 202, 1º Caderno do Promotor
Folios 292r
Online Facsimile http://digitarq.arquivos.pt/details?id=2318027
Transcripción Tiago Machado de Castro
Revisión principal Raïssa Gillier
Contextualización Tiago Machado de Castro
Normalización Raïssa Gillier
Anotación POS Raïssa Gillier
Fecha de transcipción2016

Page 292r

Recebi romance, pcuração, carta contrafeita pa alivio da molher do preso. E a carta dos dados e cudados do coração, tão pindica q parece q qdo a Vm fez estava as bordas do fluvius lethe ou do pindo relingo da fonte Cabalina mto me folgo ser Vm tão curioso. E dado ja a arte poetica e verbos espautericos porq tudo mostra fis de engenho, ruinas de habilidade, e q se a terra se cultiva bem doutrina e estudo de grande e sobretudo o q mais estimo he ter Vm saude no particular da sua carta pa sua sobrinha não me meto porq ella respondera e se entendera muy bẽ Vm so no q me toca digo q folgey de ler o Romance e tomara q me mandara Vm novas do q se passa en Madrid sobre o principe e seu casamto per algũa relacão fidedigna no mais da procuração farey qto me mandar ella esta muy juridica e perfeita essa carta q asi vay pa Romão Alvez estymarey q Vm a abra e lea E lle torne a por outra capa pa q veja como sou comedido elle e lha mande por via das barcas da carreira dandoa a algũa pessoa conhecida q lha de No mais per hora estarmos esperando como os pes de limbo por sua janeta vinda novas da Corte fiquarão q faltão da maia e eu estou tão apetitoso de sardinhas frescas feitas da nossa terra q dera por hũa duzia qto me pedirão porq ando tal do estomago q nada como nẽ nada me presta e tudo vomito E o mesmo se mostra e se me queixou e ontẽ matheus Duarte Vm faca como costume e os espiriquitiques mesma mto não deixe de vir os macarenicos espautericantes nosso sor Bernardina de sousa me pedio com mta instancia ao fazer desta q por não poder logo responder mandasse a Vm saco e meo de saudades e dezeja de o ver ja qua o saco inteiro he seu e o meo de paula de sousa 28 de julho 623 @

irmão Garcia

a carta de Romao alvez nao vay porq o portador desta la lha deu em Alhandra

qdo vierdes trazey 3 ou 4 cuvaes q não ha lugar de cuvaes a sua falta balão panela me lhes de cavacos



Text viewWordcloudManuscript line viewPageflow viewVisualización por frase