PT | EN | ES

Menú principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

Facsimile view

1663. Carta de Abraão Israel Fróis para Simão Mendes de Almeida, mercador.

Autor(es) Abraão Israel Frois      
Destinatario(s) Simão Gomes de Almeida      
In English

Advice letter from Abraão Israel Fróis to Simão Mendes de Almeida, merchant

The author, while constantly quoting the Torah, advises the addressee not to abandon Judaism.

This is the Inquisition lawsuit of Simão Gomes, a 35 years old New Christian accused of Judaism. The defendant was a merchant, son of Francisco Carvalho and Brites Gomes and he was married to Guiomar Serrana, also a New Christian. He lived in London. Simão Gomes confessed having lived several years under the Judaic faith, after his father had taught him the Law of Moses. After he went to London, the defendant realized that he no longer wanted to live as a Jew, but he wished to convert himself to Christianism. He wrote friar Cristóvão do Rosário, a religious member of the ‘Ordem dos Pregadores’ and also the queen of England’s preacher, telling him about his intentions. Since his name was mentioned in several proceedings of family members accused of Judaism, Simão Gomes decided to present his confession to the Inquisition. He presented the letters he had written to friar Cristóvão do Rosário as proof of his conversion to Christianism after arriving at London. This way he hoped to gain forgiveness and some benefits that allowed him to come back to Lisbon with his family. He was well succeeded in his efforts. In an auto-de-fé on 23rd July 1664, the defendant was sentenced to abjuration in the form of instruction in the Catholic faith, spiritual penitence and payment of legal costs. He was released five days later.

If there is no translation for the letter itself, you may copy the text (while using the view 'Standardization') and paste it to an automatic translator of your choice.

Page 47r > 47v

Simão Gomes d almda Anstram Veadar 13 5423 Mco 28 21 663

Posto q pr escripto não haja precurado estes tempos novas de Vm não falto a minha obrigacão em as saber precurar das pessoas que dessa cide vem, e mas dão da saude de Vm; relatando tambem cauzas q me dão motivo pa as aver de apontar a Vm; poes fora eu faltar as rezons tão obrigatorias como são as da lei san-gue e amizide quando a Vm lhas não propruzera cada huma dellas per si tão forçoza q se me não pode imputar atrivimto; e por eu tambêm ter experimentado em VM tão bom natural e prudensia ajuda a esta minha con-fiança.

Disse q estando Vm fora do rigurozo e tirano jugo da inquisisão e sendo verdro Israelita não observa publamente a lei sancta que O Snr Do mundo (Louvado seja pa todo sempre seu sancto nome) nos deu no monte de Synai e q nossos ascendentes jurão e affirmarão observar asi em seu nome como de seus suscessores gde e temeroza. Snr he esta propozicão, a que respondi q do animo de VM conhesia eu corresponder sempre as obrigacõs de verdro hebreo, e q na mesma forma avião de corresponder sempre as obrigacõs deste nome, a que me replicarão que não bastava animo qdo avia lei q se devia observar, lugar e tempo sem reçeio e en confir-masão de tão magnifesta verde me apontarão tantas razõs q fora querer eu alcansar o mar o querellas relatar neste papel algumas comtudo apontarei pa Vm mesmo julgar o qto convenserão minha reposta q dis em abono de vm

He o pecado da idolatria tão atrox nefando e abominavel q aquelle que o comete he como que aquelle que o comete he como se negara toda a lei e ainda não cometendo em acto exte-rior, mas vocalmte deve ser apedrejado, e faltando a prova he talhado pello snr Bendito logo aquelle que não a abominar que he observando a lei Sancta antes de a entender que he de diferente religiam fiqua cometendo este tão grave pecado, e encorrẽdo na infalible penna delle poes fiqua recebendo outro maes q n Snr Bendito.

Bem clara he esta verde q por tal a conhesseo ainda hum gentio convertido(na-haman privado d el Rei de Aran o qual pede lhe perdoe O Snr Bendito o pecado que cometesse indo com seu Rei a caza do Idolo Rimon não se podendo excuzar Reg lb 2 cp 5 versso 18 e maes não era com animo e vontade logo sendo em qualquer modo adoracão e decla-racão de boca se fiqua cometendo o grave e torpe pecado de idolatria

Sadra E Mesech e Eabed bem podiam escapar a vida com fazerem fingida ado-racão a estatua de nebucodenosor, mas não quizerão uzar de tam torpe meio poes fiquavam incorrendo em tal crime não os livrando a tencão vontade e animo de não adorar de cora-cão, o mesmo obrarão os sete Machabeos, Daniel, e o Pontifice Eleazer

Porq o precepto não tenhaes Deozes alheios diante mi exod cp 20 vss 3 lhe insinava que isto procede ou adoração seja de coracão ou não confirmado com o outro com o outro preceito que nos insina não mireis aos idolos Levit 19 vss 4 de sorte que com qualquer humilhasão se incorre neste pecado como nos insina tambem outro preceito exod cp 20 não te humilhes a elles, e ainda tirar o chapeo zombando como nos insina o grande Hagam Isach Athias na declaração deste precepto.

E por este ser o fundamto principal da Lei Sancta he emcomen-dado nella este precepto 44, De sorte que O Snr Bendito a fonte da Piedade



Text viewWordcloudManuscript line viewPageflow viewVisualización por frase