PT | EN | ES

Menú principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

PSCR0002

1542. Carta de Fernão Dias ao pai, Diogo Dias.

Autor(es)

Fernão Dias      

Destinatario(s)

Diogo Dias                        

Resumen

Carta de Fernão Dias ao seu pai Diogo Dias, mercador em Tavira, em que lhe dá conta da sua chegada à Flandres e do acolhimento que teve.
Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

d ẽves aos 24 de Mayo de 1542 snõr

Pay a prezente he para vos fazer a saber fycarmos nesta villa d emvez de saude ds seja louvado e muy dezegozos de V cartas e novas de vosa meçe e asỹ de toda a gemte q des q nestas partes hestamos numqua vymos somẽte huã q as cartas de Po luys mãdastes q vyerão ter a mão d amt lopez e vyerão ter a hesta vylla dya dypoys q nos vyemos q levey tamto cõtemtamẽto hella q dizervolo não sey e a d allvaro Royz loguo lha mãdey alem destes do q não avya de levar menos cõtamto q he aymda hesta dres ate vyr Requado de potugall e loguo he aquy cada dya vego cartas suas e hele mynhas e hesta muyto de sauda e asỹ toda sua gẽte asỹ o pode dizer ao sõr seu pay o coall me ẽcomẽda muyto e asỹ aos sõres seos fos a quẽ me ds deixe V allgũ tempo a meu cunhado q haja hesta po sua q lhe não hescrevo po ao presẽte não aver que q ja lhe tenho hescrito duas cartas huã po vya de lysboa e outra po vya da tavylla lysboa ayamõte e ẽcomẽdome muyto sua mçe e asỹ na da sõra mynha dezejada yrmã e a mynha bẽcão a meus sobrynhos e q lhe Rogo muyto q não dexe de me hescrever poq follgarey muyto de V carta sua po nella me cõtar de sua vyda e q me hespanto muyto dele não ordenar allgũ camynho pa para hesta tera poys he tera q nella se faz muyto proveyto e hesta abastada de boas mercadaryas e o mar hestar seguro a meu yrmão pero fz q hesta aga po sua e me hẽcomẽdo sua mçe e da sõra sua molher e q tãobem hele hesta tempo se tratar na tera poys he couza segura a meus cunhados q lhes não hescrevo po ao presẽte não aver q ya po vya de lysboa lhe tenho hescrito e damdo lhe comta do casamẽto de sua yrmã mecya royz e como hesta muyto bẽ cazada sõr novas nesta tera não hay nenhuãs q vos comtar somẽte rogarmos sõr q po todallas vyas me hescreva vosa mçe poq levarey muyto cõtẽtamẽto de ver cartas vosas para nella me cõtardes llargo de como hestas e asỹ todolos meos e não sega carta tam curta como a q me qua mãdaes q carta para tam lomge tera não ha de ser tão curta q se soube como hestyvera nesta vylla manoell e do avyamẽto q lho qua derão lhe cõprarem trygo podre e coamdo outra vez ouv de mãdar ẽcaregar seu fo sega a omes e não a rapazes q se não cõtemtão senão tudo e ysto lhe mãdo dyzer po q sayba a quẽ ẽcarega sua fazẽda q se outro dya aquy ouv de mãdar fazẽda não ay ao presẽte omẽ da nacão de quẽ mays se deva de fyar q he crystõvão garçya ou a ãto Lopez fo de pero lopez poq ayda q hesta doẽte tẽ dous cunhados muito bos omes e hele ja fyqua muyto e nos outros todos fycamos ao presẽte sua casa q nos não ha querydo deyxar yr fora e todos alugamos huãs casas grãdes para nos mudarmos sõr ay mays q hscrev somẽte q ẽcomẽdarvosmonos eu e mynha molher vosa bẽcão e na da sõra mynha may e asỹ grasa de meos yrmos e yrmãs e asỹ bẽcão de meos tyos e tyas e de meu dono se for vyvo e asỹ mçe de meus primos e primas mynha molher se mãda ẽcomẽdar mçe da sõra mynha tya e de gyomar e de dio e d estevão a fernã royz me ẽcomẽde muyto e q hey muyto grãde saudade dele e q cateryna royz lhe mãda muytas ẽcomẽdas rogo vos q me hescreva de cateryna vaz e de toda sua gẽte de como hestão ou o q feyto deles a fernã diaz me ẽcomẽde e a sõra sua molher e fa não hesquesa a vosa mçe de dar a po luys e a seos fos minhas ẽcomẽdas e de lhe dyzer q como seu fo hesta muyto ds sega louvado não dygo mays somẽte q ds sega todos.

obediẽte fo voso fernã dyaz

Leyenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload textWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewVisualización por fraseSyntactic annotation