PT | EN | ES

Menú principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

CARDS0002

[1827]. Carta de Gregório José Calisto, criado, para Frederico Andrés.

ResumenUm antigo criado pede ajuda ao seu ex-patrão.
Autor(es) Gregório José Calisto
Destinatario(s) Frederico Andrés            
Desde Portugal, Santarém, Salvaterra de Magos
Para S.l.
Contexto

O réu, acusado de roubo, disse ter alugado uma cavalgadura a um almocreve (cuja alcunha era 'O Bexiga de Évora'), que passou por ele a caminho de Salvaterra de Magos, local onde se encontrava preso. Ao chegarem a essa terra, quiseram prender o almocreve, mas ele acabou por fugir, não sem antes ter indicado o réu como seu cúmplice no roubo das cavalgaduras. Gregório José Calisto foi condenado às galés por quatro anos, mas contestou e recorreu da sentença por não haver acusação formal contra ele. Foi então condenado a 5 anos de degredo, mas entretanto o lesado retirou a queixa. Na carta, Gregório José Calisto escreveu ao seu ex-patrão para que dissesse que continuava a tê-lo ao seu serviço, a fim de o antigo criado conseguir maior credibilidade junto da Intendência da Polícia.

Soporte meia folha de papel dobrada escrita nas três primeiras faces e com sobrescrito na última.
Archivo Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Casa da Suplicação
Fondo Feitos Findos, Processos-Crime
Referencia archivística Letra G, Maço 5, Número 6, Caixa 15, Caderno [2]
Folios s.f.
Transcripción Mariana Gomes
Revisión principal Cristina Albino
Contextualización Mariana Gomes
Normalización Ana Luísa Costa
Anotación POS Clara Pinto, Catarina Carvalheiro
Fecha de transcipción2007

Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Illmo Snr Andres

Estimarei q estas duas regras vão adchar disfutando huma feliz saude a VSa e ao Illmo Snr D Pascoal e a Snra D Maria da Graaca Illms meninas Snr Vou a dar parte a VSa com grande Vergonha pois ncomo sei q VSa he capaz de me valer vou a espelicar a VSa vindo de palmela para as virtudes ca por esta banda encontrei hum almocreve e o cujo dito almocreve trazia duas bestas dezocopadas e eu tinha vin drazer hum bocado de contrabando e vinha a e falei com o dito almocreve e lhe laloguei huma das ditas e eu me montei entrando nesta vila de Salvatera o quizerão prender ao Almocreve e elle fogio e em mim me derão algumas pancadas e me prenderão e agora sem orde do Snr Intendente não me remetem daqui para baixo e o q peco a VSa q faca a ismola de pedir ao Snr Intendente q me mande na segundafeira para baixo porq eu adisculpeime q era criado de VSa por lhe não dizer do contrabando senão teria prizão para dois annos e asim espero q VSa peca ao Snr Intendente pela saude de VSa e q lhe diga q sou Criado de VSa porq he o q esta ca nas porguntas pesso isso a VSa por issmola para em lisbão dar justificacão de mim com isto não infado mais a VSa

Deste Criado de VSa e mto Obrigado. Gregorio Joze:

Leyenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload textWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewVisualización por fraseSyntactic annotation