PT | EN | ES

Menú principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

CARDS0022

1823. Carta assinada sob o pseudónimo de António Chuço e enviada a Roberto Lucas, negociante inglês.

ResumenO autor ameaça de morte o destinatário, caso este não entregue 25 moedas para livrar um preso da Cadeia do Limoeiro.
Autor(es) Anónimo17
Destinatario(s) Roberto Lucas            
Desde Portugal, Lisboa
Para S.l.
Contexto

A forma de extorsão que esta carta documenta (e outras mais de igual teor) representa uma prática que se tornou característica da cadeia do Limoeiro no primeiro quartel de Oitocentos e cuja amplitude em muito beneficiou da instabilidade política e social associada aos primeiros anos do Liberalismo e da ambiência generalizada de vulnerabilidade e suspeição.

Soporte meia folha de papel dobrada escrita nas duas primeiras faces e com sobrescrito na última.
Archivo Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Casa da Suplicação
Fondo Feitos Findos, Processos-Crime
Referencia archivística Letra M, Maço 1, Número 6, Caixa 2, Caderno [2]
Folios [6]r-[7]v
Transcripción Cristina Albino
Revisión principal Cristina Albino
Contextualización Cristina Albino
Normalización Clara Pinto
Anotación POS Clara Pinto, Catarina Carvalheiro
Fecha de transcipción2007

Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

VSa me fara o por bem o por mal o favor de mandar entregar ao Limoeiro a emxovia o prezo Andrade a quantia de 25 moedas na forma que he para o livramto deste prezo que he meu camarada e da minha quadrilha eu sou Antonio Chuco Capitão de quadrilhas e companheiro do Taborda logo que VSa esta receba mandara entregar o prezo na sua mão, sesta feira 9, e quando me falte sera morto olhe em que se mete o disto dicer seja quem for juro lhe que mo paga visto que sei que quace todos as somanas vai os seus armazeis veja que he feito em pedacos e largo fogo os seus armazeis e quantas pipas de vinho estiverem e todas são aRonbadas veja que lhe fazemos grande estrago VSa não empara as minhas mãos e dos meos Camaradas que tamben lhe poco dar asaltado no quintal e esta en boa s empara esso veja en que se se mete eu parto para as Galveias para a feira e de la vou a Cuba e na volta vou a Lisboa e 12 Camaradas para passarmos a Torres vedras otao mandarei pagar a VSa o que mandar o prezo esto que peco veja que eu ja tenho encontrado a VSa e nunca lhe quis fazer mal visto que aguardei para huma aflecão he chegada devemos valer huns os outros asem as mande carta feira e note q as 6 horas da tarde entregar esta a qta o prezo e quem for que leve sentar em 1 dos frades de pedra que estão pegados com as escadas do Limoeiro o pe de 1ma rozinha da parte da roza da guarda logo que o prezo o veja sentado a d o bradar 2 vezes o Joze o Joze a este brado hira então entregar o prezo o que levar antes de elle bradar não va que he a ordem que lhe mando veja e rague isto sem falta

Janeiro 4 1823 seu criado o Capitão das quadrilhas Antonio Chuco

Leyenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload textWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewVisualización por fraseSyntactic annotation