PT | EN | ES

Menú principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

CARDS0027

[1830]. Carta enviada por um preso da Cadeia do Limoeiro, que se assinava Pepe Bulante salteador, para Manuel Teles.

ResumenO autor ameaça de morte o destinatário caso este não entregue 15 moedas para livrar um preso da Cadeia do Limoeiro.
Autor(es) Anónimo14
Destinatario(s) Manuel Teles            
Desde Portugal, Lisboa
Para Portugal, Avis, Fronteira
Contexto

A forma de extorsão que esta carta documenta (e outras mais de igual teor) representa uma prática que se tornou característica da cadeia do Limoeiro no primeiro quartel de Oitocentos e cuja amplitude em muito beneficiou da instabilidade política e social associada aos primeiros anos do Liberalismo e da ambiência generalizada de vulnerabilidade e suspeição.

Soporte meia folha de papel dobrada escrita em todas as faces e com sobrescrito na última.
Archivo Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Casa da Suplicação
Fondo Feitos Findos, Processos-Crime
Referencia archivística Letra C, Maço 5, Número 1, Caixa 12, Caderno [2]
Folios 3r-4v
Transcripción Cristina Albino
Revisión principal Cristina Albino
Contextualización Miguel Cruz
Normalización Clara Pinto
Anotación POS Clara Pinto, Catarina Carvalheiro
Fecha de transcipción2007

Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Sr Mel Teles

Estimo a sua saude emparo de sua familia pois a nosa he boa graças a deos ao fazer desta ficamos estabaleçidos nos sitios mais escuzos q ha em todo este termo fazemo esta a fim de lhe darmos a saber q samos quinze homes filhos de trabalhos q andamos de feira em feira estimando qm nos estima e emsultando qm nos emsulta e asim como Vmce tem sido home honrrado e mais seu pai pois agora lhe declaremos q temos hum Camarada noso prezo em o limoeiro na Cadeia nova da Corte e asim se nos fas preçizo quinze muedas pa o seu livramento e asim sem a menor falta as mandara Remetter a dita prizão o portador q levar o dinheiro de chegar as grades da Cadeia nova da Corte pregunte pello prezo Antonio justo isto com todo o segredo ao emtregar do dinheiro pois se asim o não fizer o pagara d otra sorte os sellos das nosas arrmas são estes desta Carta não quer q se venha a saber segredo e mais segredo e Conte se não manda o dito dinheiro o mais tardar athe ao dia vinte deste mes isto logo sem falta pois se o não fizer Comta q perde a vida na primeira acazião q o emcontremos imdo pa alguma feira pois sempre nos estamos a emcomtrar e pa fazer mal sempre ha tempo e fazendo isto pode andar descançado hir pa toda a parte q quizer sem susto q nos mesmos defemderemos a sua pesoa e eu lhe aparserei em serto sitio pa lhe agradeçer tal favor isto no Cazo q Vmce Remetta as quinze muedas o portador mostrando estes sinais ao prezo Antonio justo elle lhe ha de mostrar outros igoais a estes pode logo emtregar q he o propio nos os quinze todos samos da aldeia de santa olaia e qm nos governa he de albuquerque

q he seu Criado pepe bulante

Leyenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload textWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewVisualización por fraseSyntactic annotation