PT | EN | ES

Menú principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

CARDS0029

[1830]. Carta anónima, assinada sob os nomes falsos de Cipriano José, Manuel Coimbra e seus camaradas, para Pascoal, lavrador.

ResumenO lavrador Pascoal é vítima de extorsão por meio de carta.
Autor(es) Anónimo239
Destinatario(s) Pascoal            
Desde Portugal, Lisboa
Para Portugal, Avis, Fronteira
Contexto

A forma de extorsão que esta carta documenta (e outras mais de igual teor) representa uma prática que se tornou característica da cadeia do Limoeiro no primeiro quartel de Oitocentos e cuja amplitude em muito beneficiou da instabilidade política e social associada aos primeiros anos do Liberalismo e da ambiência generalizada de vulnerabilidade e suspeição.

Soporte meia folha de papel dobrada escrita em todas as faces e com sobrescrito na última.
Archivo Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Casa da Suplicação
Fondo Feitos Findos, Processos-Crime
Referencia archivística Letra C, Maço 5, Número 1, Caixa 12, Caderno [2]
Folios 7r-8v
Transcripción Cristina Albino
Revisión principal Cristina Albino
Contextualización Miguel Cruz
Normalización Clara Pinto
Anotación POS Clara Pinto, Catarina Carvalheiro
Fecha de transcipción2007

Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Elvas, 14 de Junho Snr Pascoal

Dezejamoslhe saude e a tudo quanto lhe pertence Snr serve esta tão somestes pa lhe dizer q temos hum amigo noso prezo no limoeiro Em Lxa o qual nos manda pedir pa o seu livramento 15 moedas e como nos na ocazião lhas não podemos mandar com a preca q elle as preciza he a Razão por q lhe pedimos nos queira emprestar este dinheiro o qual lhe pagaremos athe o fim de Agosto e asim logo e logo q esta Receba mandara este dinheiro Remetido a Jeronimo de Morais q se acha prezo na Cadeia Nova da Corte em Lxa e isto com todo o segredo e sem falta e quando a haJa lhe perderemos o respeito q sempre temos guardado a sua pecoa e a quanto lhe pertence e não so Vmce o sentira mas tambem os seus gados a palheiros e quando o Remeta vivera seguro e se lhe satisfara e se lhe savera agradecer em todo o tempo pois nos ficamos a espera da Resposta do noso amigo pa sabermos se sem ou não he emtregue da dita quantia e nada mais temos a dizerlhe ficamos as suas hordeis para o q lhe prestarmos

Sopriano Joze e Manoel Coimbra e mais camaradas

Leyenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload textWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewVisualización por fraseSyntactic annotation