PT | EN | ES

Menú principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

CARDS0084

[1822]. Carta anónima dirigida a Silvestre José, pastor.

ResumenCarta com ameaça de represálias caso o destinatário apresente queixa contra o seu autor.
Autor(es) Anónimo7
Destinatario(s) Silvestre José            
Desde Portugal, Avis
Para S.l.
Contexto

O juiz de Avis mandou abrir um inquérito à morte da esposa de Silvestre José, Antónia do Rosário, e ao roubo do monte onde o casal vivia, uma vez que Silvestre não apresentou queixa, provavelmente por estar sob ameaça dos salteadores, que diziam pertencer a um grupo de vinte e sete homens. Quatro homens foram detidos, embora todos negassem conhecimento do caso. Do processo consta uma carta ameaçadora dirigida a Silvestre José por membros da quadrilha, embora tenha sido deixada à porta de um outro morador de Avis. Este processo configura bem o quadro social que muitos observadores estrangeiros traçaram a respeito da criminalidade.

Soporte meia folha de papel dobrada escrita na primeira face e com sobrescrito na última.
Archivo Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Casa da Suplicação
Fondo Feitos Findos, Processos-Crime
Referencia archivística Letra J, Maço 123, Número 10, Caixa 330, Caderno 1
Folios 6r-7v
Transcripción José Pedro Ferreira
Revisión principal Cristina Albino
Contextualización José Pedro Ferreira
Normalización Sandra Antunes
Anotación POS Clara Pinto, Catarina Carvalheiro
Fecha de transcipción2007

Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Snr Selivreste

não empute o roubo a morte de sua mulher senão pelo pastor da caza dono da dita bura por ele foi emLugida toda a roina e pelo guarda dos arifes joão e tambem joão dos galvons agostinho guarda dos galvons jasinto filho de juremenha eles descubriram quem sam os mais bastantes hera q estava hum sirco deitado da roda do monte esta quazia não estava guardada pa vmce mais fomos emtorzodidos por esta familia como asima declara e por eles ser rodicos por iso os descobrimos sos mais não temos medo porque estamos munto destantes e semos vinte sete e dira o Snr tarana q se bolir em alguma couza avemos hir la e pagara com a vida e lhe vamos abrazar o monte e lh' avemos dorotar todos os seus gados


Leyenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload textWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewVisualización por fraseSyntactic annotation