PT | EN | ES

Menú principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

CARDS0124

[1818]. Carta de Antónia Rosa, presa, para José Luís da Silva, negociante.

ResumenA autora tenta convencer o destinatário a encontrar-se com ela para conversarem sobre um eventual perigo que o negociante correrá.
Autor(es) Antónia Rosa
Destinatario(s) José Luís da Silva            
Desde Portugal, Lisboa
Para S.l.
Contexto

Os réus do processo foram acusados de envolvimento no fabrico de moeda falsa: António Silvestre Alvarez, filho de Juan Antonio Álvarez e de Gertrudes dos Prazeres, Antónia Rosa, sua irmã, e também José Luís da Silva, negociante. Este processo judicial está diretamente relacionado com um outro, posterior (Letra D, Maço 7, Número 12, Caixa 19), que também tratava do fabrico de moeda falsa. As cartas escritas por Antónia Rosa eram dirigidas a José Luís da Silva e foram encontradas na posse de um dos réus.

Soporte meia folha de papel dobrada escrita nas faces interiores e com o sobrescrito no verso.
Archivo Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Casa da Suplicação
Fondo Feitos Findos, Processos-Crime
Referencia archivística Letra J, Maço 274, Número 39, Caixa 704, Caderno [8]
Folios 2r-v, 8r
Transcripción José Pedro Ferreira
Revisión principal Cristina Albino
Contextualización José Pedro Ferreira
Normalización Catarina Carvalheiro
Anotación POS Clara Pinto, Catarina Carvalheiro
Fecha de transcipción2007

Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Senhor

Talvez q se lhe faça assãs reparavel o eu Pegar nesta debli pena para lavrar com ella as minhas fracas Espreçoes enclinandoas para a parte do seu terno Coração para Valer a huma enfliscidade q vai acontecer a huma disgracada filha q antes quer perder a vida do q a companhia de hum Pai Estremozo talvez q a sua Pesoa não Conhesa a minha pena letra pois eu lhe vou a declarar quem sou, sou filha de João Antonio e de Getrudes dos prazeres a filha mai velha Cujo nome he Antonia Roza; a qual promete debaxo hum joramento, declararlhe hum segredo q talvez lhe sirva de resgatar a sua vida mas a de fazer-me o favor de vir oje pellas dez horas da manhãn ou pelas quatro da tarde. Espero de a sua benig-nna pesoa q me faça o favor de não faltar a rrão porq me achá e poderemos fallar bem a ssua e minha vontade Não falte a esta q de Vm Espera a sua Companhia he q a vida lhe dezeja

Antonia Roza

Leyenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload textWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewVisualización por fraseSyntactic annotation