PT | EN | ES

Menú principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

CARDS0183

1819. Carta de João Vieira Martins para seu filho Francisco Xavier Vieira Martins, criado de servir.

ResumenCarta de pai para filho, preso, a dar notícias da família e a pedir informações.
Autor(es) João Vieira Martins
Destinatario(s) Francisco Xavier Vieira Martins            
Desde S.l.
Para S.l.
Contexto

Francisco Xavier foi indiciado, juntamente com a sua mãe, Joaquina Maria, e com António Feliciano, num assalto à casa de João de Oliveira, guarda da cadeia da Corte, situada no pátio das Parreiras, em Lisboa, no dia 27 de dezembro de 1819. O réu foi acusado de furtar alguns bens, entre os quais uma farda do filho do guarda, que era soldado de infantaria em Peniche. Foram presos na madrugada de 28 para 29 daquele mês numa casa onde supostamente moravam, na travessa de S. Bartolomeu, cuja porta foi arrombada por um Oficial de Terreiro, Sebastião dos Paços, em presença de testemunhas, do Alcaide do Bairro do Castelo e de um escrivão. Nesta casa, foram apreendidas diversas roupas e bens, entre os quais se contava a referida farda, um livro intitulado 'Contos Arábicos' , outro intitulado 'Thezouro de Meninos' e uma caixa de pinho encarnada com fechadura sem chave, onde estavam vários papéis, anexados ao processo crime. Entre os objetos achados pelas autoridades, encontraram-se ainda materiais usados em assaltos, escondidos em diferentes partes da casa. O processo contém, para além de 8 cartas, entre as quais a CARDS0183, um desenho de 2 gazuas, de um martelo e de uma faca, uma listagem de moedas de vários países e uma relação do roubo de que tinha sido vítima João de Oliveira.

Maria Joaquina, na ausência de provas de ligação aos criminosos, foi libertada. Francisco Xavier, por seu turno, declarou-se inocente e solicitou ser solto por carta de 24 de janeiro de 1820, tendo sido ouvidas testemunhas abonatórias (moradoras na freguesia da Pena e da Encarnação, suas vizinhas), que confirmaram a sua boa conduta.

Soporte meia folha de papel dobrada escrita nas duas primeiras faces, e com sobrescrito na última.
Archivo Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Casa da Suplicação
Fondo Feitos Findos, Processos-Crime
Referencia archivística Letra F, Maço 11, Número 25, Caixa 26, Caderno [6]
Folios [11]r-[12]v
Transcripción Leonor Tavares
Revisión principal Cristina Albino
Contextualización Leonor Tavares
Normalización Catarina Carvalheiro
Anotación POS Clara Pinto, Catarina Carvalheiro
Fecha de transcipción2007

Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Franco

A tempos q te escrevi e não tenho tido nota da resposta souve q no corro de 9 do corrente souve q tinha no corro huma carta a coal me tirarão e como asim Escreveme em Nome de Domingos Antunes do Lugr de Cambeses frga de Rio douro e mandame dizer o q tendes pasado com a Exzecucão do lobo e se fizerão o Requerimto do Infantado e igoalmte se te comcervas no comado q me diçestes Estavas e dis a tua May q o do lobo amdava pa a citar por éritos não sei pa q e eu deilhe caza e Rua pa não ser citada pellos ditos Editos e se partir daqui a citatoria eu vos avizarei pa la pedires vta della e como não savia aonde elle Estava lhe dei a das Escollas gerais e mandame dizer como pasas e tua May eu tenho Estado mto mal e ainda E ainda comtinua a molestia o Lobo falou a teu thio pa Escrever a tua May se queria comporçe eu pareçeme q não Esta neses tos não sou mais Extenco diservos q aseiteis as mas saudes e as dareis o amigo Marques

hoje 15 de Agosto de 1819 teu Pay e amo João Vra Miz

Leyenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload textWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewVisualización por fraseSyntactic annotation