PT | EN | ES

Menú principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

CARDS1006

1636. Carta de Baltasar Dias para seu primo, Bartolomeu Dias, mercador.

ResumenO autor escreve ao primo a dar notícias de um sobrinho que lhe foi mandado para a Bahia. Garante que certa mulher está morta (depreende-se ser a primeira mulher do destinatário). Refere também a guerra com os holandeses e faz uma encomenda de linhas e tecidos.
Autor(es) Baltasar Dias
Destinatario(s) Bartolomeu Dias            
Desde América, Brasil, Bahia
Para S.l.
Contexto

Processo relativo a Bartolomeu Dias, acusado de bigamia. A sua primeira mulher, Luísa Carneira, foi julgada por adultério e sentenciada a degredo perpétuo para o Brasil. Bartolomeu Dias casou segunda vez por ter corrido a notícia de que a mulher tinha morrido, mas afinal estava viva e morava, inclusivamente, em Lisboa (CARDS1008). O réu foi condenado a cinco anos de degredo para Mazagão, a ter instrução ordinária e a fazer penitência espiritual. No seu processo, a Inquisição arquivou-lhe a correspondência com um primo, Baltazar Dias, que estava na Bahia e aí se ocupava com as suas fazendas de tabaco e açúcar e com o ensino de estudantes.

Soporte uma folha de papel dobrada, escrita no rosto e no verso
Archivo Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Tribunal do Santo Ofício
Fondo Inquisição de Lisboa
Referencia archivística Processo 1805
Folios 96r-v, Fólio 97v
Transcripción Ana Rita Guilherme
Revisión principal Rita Marquilhas
Contextualización Ana Rita Guilherme
Normalización Sandra Antunes
Anotación POS Clara Pinto, Catarina Carvalheiro
Fecha de transcipción2008

Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Jhũs ma em nossa Compa 30 junho 636 a

Tenho tanta comfiansa em q Vm folgue de ouvir novas minhas q em todas as ocaziois q ouver não deixarei fazello pedindo a Des a vista de todas ellas goze Vm a perfeita Saude q Vm dezeja em Companhia da Sra mai e toda a mais obrigação de Caza Eu seja Des Louvado ao prezente fiquo Com Saude esperando todas as horas novas suas e da nossa Armada q Des tenha em pas nessa terra Como comfio estara em o navio de q por miz vareiro mandei Carregadas 27 a a saber huã xa de 19 a e fecho de 7 a, q tudo leva a sua Comta frco Roiz genro do travassos q mora Junto a Joam fra, o Caldro; e vai Remetido a entregar o mesmo a Vm imdo ao porto e indo a outra pte o procedido como Vm Vera na Receita e conhesimtos a quem pesso me benefiCie Como Cousas suas e siga a Carta q lhe mandei pagando Comforme dis e cobrãodo pagas; so lembro a Vm q na materia do Retorno q eu em outra avisei q me mãodasse em libros o não fassa porcoanto são vindo mta fazenda delles e derão em droga assim q aviso a Vm podendo ser me mande tudo em pano de linho. tafeta. Cordorão. agulhas. olandilhas. Roxetas picotes linhol de sapatro; linha Retros ataquas e de linho a maior pte se puder ser e isto ha de fazer mto sendo q la esteja a salvamto; mandarmo atte todo o natal porq des janro Vindouro sendo Des servido me detremino embarquar a Ver se me posso ordenar e de Bpo novo me avize se o temos ja A meu pay não esCrevo por não aver lugar so pesso a Vm lhe mande novas minhas q ate a pasCoa Des querendo sou la se a morte me não atalhar Como tenho detreminado a minha tia Izabel fra q aja esta por sua e o Silva Com toda a mais gente e sobrinhos q bem fora me esCreverão novas suas tendolhe eu esCrito tantas Vezes mas q eu me jurei vingar de suas Cruezas e então mostrarei por obras o q aqui não declaro por não aver tempo De seu sobrinho avizo a Vm q he botado a essa terra e me fes a maior Ruindade q podia ser; e foi q avendo eu Curado da tinha e tendo o posto a po me adoesseo de opolacão adonde o tive em Cura 2 mezes e purgado e depois de o aver sam, me disse que queria acabar de aprender seu offo; mas q o puzesse eu na Cidade por não apanhar fora alguã Cama de boubas, e eu Comfiado em suas palavras o vesti de ponto em branquo ate lhe dar hũas meas novas de algodam e levei o a Cidade e tendo aCommodado Com papel fto; se me safou a quinta fra de endoensas a noite e se foi meter na nao Capitania de portugal e imdo eu a sesta fra em busqua delle me deram os soldados mais Vaia q tomara antes perder mto q Cobrar tal surriadas enfin la o tem livre de Comer farinha a 5 pataquas o alqre q por nossos peCados não valle menos estamos nesta terra mui faltos de mantimentos Des nos aCuda; novas de pernãobuquo sam averem vindo 20 navios de soCorro aolandes adonde dizem lhe vieram mtos mantimentos e juntamte tornão os inimigos a tomar tudo e põdo toda a Couza Viva a Cutello e dissem sam mortos mta gente dos nossos despois deste soCorro; no q toqua ao q Vm me avizou em huã sua aserqua daquelle home ja lhe tenho avizado, em outras q lhe ei esCrito em Como he morta e aqui estam omes q a levarão a Cova a seus ombros e isto entenda Vm q he Certo porq tirei todas as emformaCois e achei ser assi pello q Vm pode viver Comfiado en ser assi em outra Couza q eu for de prestimo nesta terra estou certo suposto q Vm fia pouquo de mim pello q eu tenho alquansado mas atribuio tudo a ser pouquo merCador Comtudo eu não deixarei enfadar a Vm Com Couzas minhas pois tenho Vm por meu Sr a quem elle gde Com larguos annos de vida e a sra minha tia e sodrinhos Como este leal parente de Vm lhe dezeja espero me avize na pra oCazião q ouver; de Caza de bras Rebello falCão Bahiia Primo de Vm Balthezar dias


Leyenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload textWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewVisualización por fraseSyntactic annotation