PT | EN | ES

Menú principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

CARDS1063

1687. Carta enviada por Maria Pinheira a Francisco Leitão de Magalhães, prior de Canha.

ResumenMaria Pinheira denuncia o marido, Manuel Francisco, ao prior de Canha.
Autor(es) Maria Pinheira
Destinatario(s) Francisco Leitão Magalhães            
Desde Portugal, Évora, Montemor-o-Novo
Para S.l.
Contexto

Processo relativo a Manuel Francisco, natural de Montemor-o-Novo e morador na vila de Canha, acusado de bigamia. Casou-se em Montemor-o-Novo com Maria Pinheira tendo-se mudado depois para Canha e contraído aí matrimónio com Ana Luís. O marido alegou que a primeira mulher teria desaparecido quando ele estava internado num hospital. Saindo do hospital e procurando a mulher, uma filha ter-lhe-ia dito que a mãe tinha morrido em Canha. O réu disse ter seguido para esse lugar, onde todos lhe confirmaram a morte de Maria Pinheira, apesar de não haver registo de óbito. Manuel Francisco só voltou a ter notícias da sua primeira mulher quando foi preso. Foi considerado culpado e degredado por sete anos para as galés. Depois, a pena foi-lhe comutada em degredo para Castro Marim.

Soporte uma folha de papel dobrada escrita no rosto do primeiro fólio e no verso do segundo.
Archivo Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Tribunal do Santo Ofício
Fondo Inquisição de Lisboa
Referencia archivística Processo 2620
Folios 7r e 8r
Transcripción Ana Rita Guilherme
Revisión principal Mariana Gomes
Contextualización Ana Rita Guilherme
Normalización Liliana Romão Teles
Anotación POS Clara Pinto, Catarina Carvalheiro
Fecha de transcipción2008

Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Sr Prior

Bem çei q atrivimento a esCrever a huma pessoa de que não tenho Conhessimto nem Vm de mim mas a Cauza de esCrever a Vm foi so o pella emformaçam q de Vm me deo João Luis olayo e pello q em Vm deo a entender o seu Bom zello de porCurar pellas Coizas e Cauzos toCantes a Nossa fee Catholica e asim N Sor lhe dara a Vm na outar Vida o premio da gloria e nesta a saude que Deseija pa lhe faser mtos servissos eu por ser huma pobre de xpo nas minhas orazonis tenho o prestimo pa o enComendar a Xpo pa q lhe dei mta saude e Vida Sor nesta terra esta casado hum homen Comforme me disse joão luis olaio o qual he meu marido ha de de aver nove annos pouCo mais o menos e foi Ressebida com elle na forgessia de paiva lugar arcebispado de Coinbra chamasse mel franco filho de hum homen que se chamava de AlCunha o pouzou e tenho hum filho delle chamado filipe e apello a Vm ponha Cobro sober isto e a min me chamão maria penheira sou dep de montemor o velho elle tambem he de montemor o velho

montemor o novo 20 de março de 687 de Vm a mais minima Ma pinheira

Leyenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload textWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewVisualización por fraseSyntactic annotation