PT | EN | ES

Menú principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

PSCR0018

1593. Carta de Luís Nunes para António Machado, seu irmão.

ResumenO autor dá conta ao seu irmão de que a irmã havia sido presa pelo Santo Ofício.
Autor(es) Luís Nunes
Destinatario(s) António Machado            
Desde Portugal, Miranda, Mogadouro
Para España, Jaén
Contexto

Quatro cartas foram apreendidas no espólio de Francisco Fernandes, cristão-novo, morador e estudante em Bragança, preso pelos oficiais da alfândega de Bemposta, no Douro, quando este tentava atravessar para Castela na companhia da sua irmã, Ventura Fernandes, e da sua cunhada, Ana Pereira. Viajavam com uma mula e com grande quantidade de haveres pessoais, tal como indica um rol incluso no processo, o que despertou a curiosidade dos oficiais. Ao saberem que eram oriundos de Bragança, onde recentemente o Santo Ofício tinha realizado diversas detenções por judaísmo, tentaram deter Francisco Fernandes, que se pôs em fuga. Foi detido já perto do barco que fazia a travessia do Douro, enquanto ambas as mulheres, que já se encontravam na margem espanhola, retrocederam e se entregaram de livre vontade.Das perguntas feitas pelo corregedor de Miranda, apurou-se que os pais de Francisco e Ventura Fernandes tinham sido levados de Bragança para a Inquisição de Coimbra, onde teriam falecido. O mesmo tinha sucedido ao seu irmão Luís Cardoso, marido de Ana Pereira. Tanto as cartas como os depoimentos dos dois irmãos mostram que tinham a intenção de seguir para Coimbra, mas, chegando a Mogadouro, para onde Ana Pereira havia sido degredada por um ano pelo juiz do fisco de Bragança, esta convenceu-os a rumar a Fermoselhe, em Castela, de onde era natural e onde tinha família.O corregedor de Miranda, por considerar que o caso era do interesse do Santo Ofício, mandou-os presos para Coimbra. A parte processual lá composta inclui diversos treslados dos casos dos seus pais. Também se sabe que Francisco Fernandes foi posto a tormento. O acórdão deu-o como culpado de judaísmo, com dispensa de excomunhão por ter confessado, e confisco dos seus bens.

Soporte uma folha escrita em ambas as faces.
Archivo Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Tribunal do Santo Ofício
Fondo Inquisição de Coimbra
Referencia archivística Processo 463
Folios [18]r-[18]v
Socio-Historical Keywords Tiago Machado de Castro
Transcripción Tiago Machado de de Castro
Normalización Catarina Carvalheiro
Anotación POS Clara Pinto, Catarina Carvalheiro
Fecha de transcipción2013

Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Irmãoesta não e mays que pa lhe dar cõta sabera Vm do trabalho que nos qua aconteceu a dẽs louvores, que sayo noso Irmão dyo glz e mãdou chamar a sua molher por hũa quarta e ela foy e no quamynho a prenderõ quys o dẽs obrar ela de sua pyadade que foy eu por ela a coỹbra logo ela e la me fey nosso sõr merce que fyz hũa pityção a mesa em como se ela yva apresentar e a mãdarõ yr outra vez solta e agora esta la seu marydo apresemtada querera o sõr que venhão muyto asinha ãbos de dois e eu tambem asy me nela apresentey paemte a mesa do sãto ofycyo que não pudei nos fazer por amor do lyvramto de minha Irma e com estes emfadamtos não pude compryr pas ne com defeyto pa eu yr la a esa cydade aos oyto dias d agostos say eu que yva la pa esa cydada com os grãdes desejos que tynha de ver vosa pa com mynha Irma lyanor nunẽz e ca em o azo topey esperãca frz que vynha desa cydade de coymbra de se apresemtar e mos requereo que não saisymos da tera pa nhenhua parte senão que nos fosemos apresemtar que ese era o bom cõselho e vynha tambem frco frz e sua yrma vemtura frz em nosa companha e não se o ofreçeo a luys nunẽz porque ja tynhamos nosas quavalgaduras e frete feyto pa noso gasto e eu ja qom todos estes emfadamtos por ouvyr que não estava no presemte qoando veo mos nos mynha yrma que nos mãdava chamar e eu asy me yva tambem e sy me dyso que Vm avya mãdado dar qua a gaspar pra dez myll res os quays eu lhos dey e Vm nos mãde a myme e a sua yrma lyanor nunẽz a sua bemção porque quada dia que o sol amanhece nos ofrecemos nela E portamto noso sõr seyja em sua goarda e de falso testemuynho e o tenha de sua suma mão

de seu Irmão luys nunez qu sua saude deseja deste mogadro oje oyto dyas do mes d agosto de 1593 anos do seu irmão luys nunẽz

Leyenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload textWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewVisualización por fraseSyntactic annotation