PT | EN | ES

Menú principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

PSCR0042

1576. Carta de Manuel Leitão, ex-guarda do Santo Ofício, para Álvaro Mendes.

Autor(es) Manuel Leitão      
Destinatario(s) Álvaro Mendes      
In English

Copy of a private letter from Manuel Leitão, prior guard of the Holy Office, to Álvaro Mendes.

The author asks that asome news are transmitted to some known people.

This is the second process of Manuel Leitão, prior guard of the Holy Office in Coimbra, who was accused of facilitating the correspondence between inmates and their families and friends. While in prison, he kept corresponding with an old inmate, Álvaro Mendes. These letters were intercepted and copied by members of the Inquisition, who then put them back in their envelopes and sent them to the intended recipient. This exchange lasted from August to October 1576. The defendant later tried to deny these contacts, but ended up confessing and accusing a large number of other people.

If there is no translation for the letter itself, you may copy the text (while using the view 'Standardization') and paste it to an automatic translator of your choice.

Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Snõr.

por amor de noso snor lhe peço me pdoe tãotos ẽfadamtos como lhe dou porq triste preso não pode dar houtra cousa he porq despois de dẽs a minha sallvação esta na mão de vm he porq heu sei q vm he tão hõrado q por amo delle faça ho q poder por minhas cousas me atrevo a lhe dar tãoto trabalho. Peço lhe muito q este aqui vai dẽtro mãode a quẽ diz ho sobreescrito porq me ẽporta he relleva muito haçerqua d allgumas cousas q me mãodou dizer ho amigo he vm não tenha nhũ escrupollo niso porq estas pas são de muita cõfiança he q ho amigo bẽ conheçe he parẽtes do boticairo q vivia ha porta de sãota ca q me vm dise q hera falleçido he pella vẽtura quasa de sua molher se a tinha vira allguma pa della he senão por houtra allguma de requado lhe peço ho mãode a mais brevidade q poder ser he mãode q ha reposta venha llogo ha mão de vm pa q me venha a min he não lhe ẽquarego isto mais porq sei q vm ho fara como quẽ he Vho amigo me dise seu q avia ja despacho peço lhe muito q saiba diso como he he q mo mãode dizer he como helle vier q follgarei ver requado seu q a muito q ho não vi. tãobẽ lhe peço se poder saiba da pa d allgumas se he morta porq hera muito doẽte he mãodemo dizer allguma cousa mais se houver. noso snor seija vm he o tenha da sua mão amẽ.


Leyenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload textWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewVisualización por fraseSyntactic annotation