PT | EN | ES

Menú principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

PSCR1252

1615. Carta de Vasco da Silva para Belchior Francisco.

ResumenO autor pede a um amigo que receba e entregue cartas a parentes de um outro seu conhecido.
Autor(es) Vasco da Silva
Destinatario(s) Belchior Francisco            
Desde Portugal, Lisboa
Para Portugal, Lisboa
Contexto

Tal como indica uma breve nota processual, esta carta inclui um pedido expresso de um outro indíviduo não mencionado pelo nome, para lhe distribuírem outras cartas pelos seus parentes residentes em Lisboa. Este dado, acrescido ao facto de o local de emissão da presente carta ser Antuérpia, onde existia uma forte presença de judeus portugueses, terá sido o motivo do interesse do promotor do Santo Ofício. Dentro do fundo do Tribunal do Santo Ofício existem as coleções de Cadernos do Promotor das inquisições de Lisboa, Évora e Coimbra. O seu âmbito é principalmente o da recolha de acusações de heresia. A partir de tais acusações, o promotor do Santo Ofício decidia proceder ou não a mais diligências, no sentido de mover processos a alguns dos acusados. Denúncias, confissões, cartas de comissários e familiares e instrução de processos são algumas das tipologias documentais que se podem encontrar nestes Cadernos. Quanto ao crime nefando e à solicitação, são culpas que não estão normalmente referidas nestes livros.

Soporte uma folha de papel escrita no rosto.
Archivo Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Tribunal do Santo Ofício
Fondo Cadernos do Promotor
Referencia archivística Livro 206
Folios 16r-16v
Socio-Historical Keywords Tiago Machado de Castro
Transcripción Tiago Machado de Castro
Revisión principal Rita Marquilhas
Normalización Catarina Carvalheiro
Anotación POS Clara Pinto, Catarina Carvalheiro
Fecha de transcipción2013

Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Higezu hem anves ha 20 de Julho de 1615 a ha Belchior frco que ds guarde em Lisboa

hum hamiguo me preguntou se conhesia eu ha vm he lhe dise que havia muntos anos que nos conhesiamos ho qual me roguou que lhe fizese hamizade que por minha hordem de saber de vm se lhe forão dadas hũas cartas pera lhas emcaminhar pera hum seu parente he que lhe não mandara dizer haonde lhe havia de responder por descuido por honde me pedio que lhe fizese hamizade de lhe escrever estas regras he emcomendãodo lhe he emcaresendo lhe que lhe roguase eu munto de lhe responder ha helas he lhe fizese merse de lhe mandar ho terlado da copia das regras que vm escrevera na cuberta da carta deradeira que lhe mandou por este natal pasado porque lhe releva saber se lhe forão dadas he emcaminhadas pera quem nas mandara he heu peso a vm da minha parte como hamiguo que eu são de vm que lhe responda ha ella he me pedio mais que podendo lhe aver reposta de seu parente das cartas que lhe vm emcaminhara que folguaria munto que lha ouvese he mandase pelo munto que mo roguou he lho pedise pera com hela se detreminar ho ho que podera fazer he escrevendo lhe vm pode mandar ha carta polo coreio rezedia ha jão lopes neto he emcaminhada per haguora não mais senão que higezu cristo tenha ha ha vm da sua santa man em companhia da snor Maria feia he filhas como pode hamen

De seu munto hamiguo em toda ha parte que estiver Vasquo da silva 1615

perdoheme pola letra he nota não ser boa porque bem sabe vm que não são bom escrivão he se me responder escrevame de boa letra ha carta que mandar


Leyenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload textWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewVisualización por fraseSyntactic annotation