PT | EN | ES

Menú principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

PSCR0081

1550. Carta de António Ribeiro, pagem, para seu irmão Gonçalo Álvares, criado del rei.

ResumenO autor dá ao irmão novidades sobre a sua absolvição pela justiça.
Autor(es) António Ribeiro
Destinatario(s) Gonçalo Álvares            
Desde Portugal, Coimbra
Para Portugal, Lisboa
Contexto

António Ribeiro, ou António de Santarém, como consta na capa do processo, tinha cerca de treze anos em maio de 1547 quando se apresentou na Mesa da Inquisição declarando que tinha sido vítima de violação. Revelou que ano e meio antes, em Santarém, tinha sido conduzido por um indivíduo, alcunhado de "O Redondo", a casa de um Gaspar Mulato, onde este último "forçosamente [...] dormira carnalmente com ele uma só vez", e que durante o ato "gritara e bradara, dizendo que o deixasse, e saíra da dita casa chorando" (fólio 2r). Reportou ainda que, noutra ocasião, dois conhecidos do mencionado Gaspar Mulato o tinham convidado "para poderem pecar com ele", mas, pelas suas declarações, desta vez não foi molestado. Apesar do que reportou, foi dado como culpado e degredado para Coimbra. No ano de 1549, o Santo Ofício deu permissão para que António Ribeiro e uma Catarina Figueiredo, criada de Garcia de Sá, contraíssem matrimónio. Por declaração existente no processo (fólio 13), é possível saber que a sua união já decorria clandestinamente.

Soporte uma folha de papel dobrada, escrita nas duas primeiras faces e com o sobrescrito na última.
Archivo Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Tribunal do Santo Ofício
Fondo Inquisição de Lisboa
Referencia archivística Processo 6097
Folios 16r-v, 17v
Online Facsimile http://digitarq.arquivos.pt/details?id=2306139
Socio-Historical Keywords Tiago Machado de Castro
Transcripción Tiago Machado de Castro
Revisión principal Catarina Carvalheiro
Contextualización Tiago Machado de Castro
Normalización Catarina Carvalheiro
Fecha de transcipción2015

Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Sõr yrmão

não tenho mãdado o estromẽto a vosa merçe mais sedo porque me paReceo q fosemos la e agora que veo o Recouveyro e não trouxe Recado pa yrmos, o pus loguo po obra e o tiRey la o mãdo a vm. fasame vm merçe que se acabe este negoçio o mais sedo q puder quãto he da allsovição que me vm na sua mãdou pedir eu não tiRey asollvição q por huã bula dos cativos q eu tinha me asollverão e como for feyto mãdeme Recado e mãdeme dizer omde pouza poque me paRese que se avia de mudar agora polo são Jo poq como seu Recado vir loguo la são vm pa de mỹ fazer o q sua vomtade for/ muitas vezes escreveRia a vm mas po as cartas não yrẽ ter la a casa o não faso não mais senão q dezeyo mto de aver fym este negoçio pa fazermos / muito serviso a noso sõr e a vosa m e a sõra ysabel de figeyredo a quẽ eu devo quãto ha no mũdo, a quẽ beyjo as mãos duas myll vezes e asy as de vosa m. não mais senão q me mãde vosa merçe de la que o syrva poq o faRey mẽtres me vosa merçe de qua não mãdar yr e nyso me fara mui grãde merçe. de coymbra aos quatro d agosto de myll e quynhẽtos e symcoẽta

seu yrmão amtonio Ribeyro

sõr farmaa m darme aquesta carta q vay a de vosa m casa do bispo d ãgra a huũ seu capelão

Carta de amto Ribro meu irmão de coinbra a xij dias de agto de 1550


Leyenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload textWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewVisualización por fraseSyntactic annotation