PT | EN | ES

Menú principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

PSCR0532

1705. Carta de André Pereira, correio da cidade de Lisboa, para Tomás da Silva, correio da cidade de Évora.

ResumenO autor acusa a receção de dinheiro pelo correio e diz que tem tido muito trabalho. Fala ainda da compra de cavalos.
Autor(es) André Pereira
Destinatario(s) Tomás da Silva            
Desde Portugal, Lisboa
Para Portugal, Évora
Contexto

Este processo diz respeito a Tomás da Silva, assistente de correio na cidade de Évora, da mão de André Pereira, correio na cidade de Lisboa. O réu foi constituído arguido por ação do advogado João Gomes de Góis, procurador de um deputado, o padre Dom José da Gama, o qual dizia ter entregado dez moedas de ouro a Tomás da Silva para que ele as fizesse chegar ao desembargador Diogo Guerreiro Camacho de Aboim, em Lisboa, com parte de quatro contos e oitenta. Estas afirmações são corroboradas pelos recibos datados de 20 de junho (inclusos no processo). Segundo consta, o réu mandou que João Duarte da Costa, oficial-maior do Correio-Mor do Reino, entregasse o dinheiro a Diogo Guerreiro Camacho de Aboim, o que também se pode confirmar a partir dos papéis inclusos no processo. Dado que Diogo Guerreiro Camacho de Aboim não recebera o dinheiro, e que tinha já enviado um aviso ao padre Dom José da Gama dizendo que já não era preciso que lho enviasse, o padre Dom José da Gama suspeitou que o réu o havia roubado, tendo, por isso, pedido que lhe mandasse de volta o dinheiro, o que o réu não fez. Por seu lado, o réu alegou que assim que recebeu o dinheiro de Dom José da Gama o enviara numa mala do correio por um estafeta de Arraiolos e, depois, por um outro moço, chegando o dinheiro a Álvaro Pinto de Azevedo e a João Duarte da Costa, ambos oficiais do correio em Lisboa. Como estranhara a demora do correio, Tomás da Silva, por ser seu criado, escrevera a André Pereira, correio da cidade de Lisboa, pedindo que confirmasse se o dinheiro havia chegado e lhe enviasse os recibos passados, o que a carta PSCR0532 comprava. A carta PSCR0533, que o estafeta Bento Ferreira Coutinho enviara a Tomás da Silva, juntamente com a mala, aberta e rasgada, onde supostamente iria o dinheiro de volta de Lisboa, dá conta do que se passou e assinala o facto de quatro ladrões terem assaltado o estafeta em Pegões durante a noite, sem que ele conseguisse livrar-se deles. O réu, vendo a mala rasgada e atada com um fio, não a quis receber sem participar a ocorrência ao Juiz de Fora da cidade, o qual passou certidão do acontecido.

Soporte meia folha de papel não dobrada, escrita no rosto e no verso.
Archivo Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Tribunal do Santo Ofício
Fondo Inquisição de Évora
Referencia archivística Processo 11608
Folios 15r-v
Transcripción Leonor Tavares
Revisión principal Catarina Carvalheiro
Contextualización Leonor Tavares
Fecha de transcipción2015

Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Thomas Da Silva

Estimo mto as novas De sua saude noso Sor lha comserve por mtos anos fiquo emtregue do dro q neste coreio me remeteo vai o Rol na forma costumada os Recebos ja os tinha percurado e dis alvaro pto vão neste coreio e me mostrou como não tenham vindo percurar o dro asim o pode sertificar a ese cavalheiro eu não aseito a partida do coreio por andar mto ocupado aprestando a minha jornada e me tem Dado mto trabalho a compra de cavalos de novo não ha nada Ds o gde hoje 9 de Julho de 1705

Andre Pra

Leyenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload textWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewVisualización por frase