PT | EN | ES

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

Visualização das frases

1809. Carta de Francisco Vaz, carcereiro, para Diogo Lopes, soldado, seu irmão.

Autor(es)

Francisco Vaz      

Destinatário(s)

Diogo Lopes                        

Resumo

Francisco Vaz escreve ao irmão, dando notícias da terra e pedindo favores relacionados com a hipótese de não ser incorporado nas milícias.

Texto: -

Etiquetas:


anteriores


[1]
asim Veremos se me poso emzentar de q tereis grande gosto, porq se for sera o maior dezarranjo pa mim q tenho tido temendo da ma molestia
[2]
não vai eu a morrere Algum ispital
[3]
asim pareseme q o rremedio q terei he mandaTe as ditas duas atestaçoens a q tu me Alcançes de o avizo pa ficare enzente das malicias a fim de istralare a castanha na boqua Alguns endevidos q ese gosto tem
[4]
asim tu rrezolveras o q bem te praçer pois bom he q os filhotes da nossa terra sabão q tu tambem tem algum pretimo nessa corte pois a repto do primo todos q o tem sabido fiquam adimirados
[5]
pois se eu chegar a hir a esa corte nos falaremos a Repeto de serto emprego q eu pretendo ainda q dei d elvias vinte muedas d oiro
[6]
não te quero ser mais oportuno
[7]
mtas recomendaçoens de toda a nossa familia e do primo e minhas como tas desejo
[8]
deste teu mano Franco Váz.
[9]
tua cunhada maria te manda mtas recomendaçoens ja q tu não lhas mandas
[10]
mandame a dizer os rapazes q tem dizembarcado com os inglezes se he o Anto Joaqm e o carrilho e João mendes;
[11]
logo q tu esta recebas me mandaras a Respta pelo correio porq os Almocreves irão pa 12 deste mes porq tem q aRecolherem as suas siaras.
[12]
Eu so saberei agradeçer os favor q de ti tenho recebido

Representação em textoWordcloudRepresentação em facsímileManuscript line viewPageflow viewSyntactic annotation