PT | EN | ES

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

Visualização das frases

[1829]. Carta de uma autora não identificada, assinada E., para José Moro espanhol, preso.

ResumoA autora manifesta saudade e tristeza por não ver o destinatário, e promete-lhe fidelidade. Remata a carta com duas quadras e um monograma com as letras E e J.
Autor(es) E
Destinatário(s) José Moro            
De Portugal, Lisboa
Para S.l.
Contexto

A José Moro, espanhol preso na Cadeia de Belém, foram apreendidos diversos papéis e 11 moedas falsas em chumbo. Entre os papéis, escondidos na roupa do preso, o carcereiro encontrou um livro de contas, desenhos, cartas e bilhetes. Testemunhando as razões da sua prisão, o réu contou que tinha sido abrangido pela «medida geral para prender os espanhóis no dia 7 de junho de 1828 por ordem do Intendente» (PS6024).

Suporte meia folha de papel escrita no rosto.
Arquivo Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Casa da Suplicação
Fundo Feitos Findos, Processos-Crime
Cota arquivística Letra J, Maço 136, Número 20, Caixa 361, Caderno 1
Fólios 41r
Transcrição Ana Guilherme
Revisão principal Cristina Albino
Contextualização Ana Guilherme
Modernização Clara Pinto
Anotação POS Clara Pinto, Catarina Carvalheiro
Data da transcrição2007

Texto: -

Etiquetas:


[1]
Caro bem da minha alma
[2]
Não poso por nais tempo sevocar em meu peito ardente paixão q continiada iste em meu coracão
[3]
tanto que Vi as suas mimozas letras meu coracão ficou com hum prazer i alegria o mesmo tempo triste como a triste note
[4]
o quanto fora milhor não Vos conhecer de que Vos ver i tão triste sena
[5]
mais sim caro bem quem Vos podese dar a Libardade quanta meu peito DezeiJa
[6]
pois espero que sera por poco tempo
[7]
a Ceos quem tivese a dita de Vos Ver na Libardade que meu coracão dezeiJa
[8]
não repare nas minhas isenificantes letras i aseite o meu coracão saudouZo
[9]
desta que lhe pormete ser firme i constante ate a morte
[10]
pois a sua carta ca a tenho rezreVada dentro do meu coracão pois so a sua Vista podrei publicar os meus sintementos como DezeiJo
[11]
quando o meu coracão palpita Elle em segredo me dis Que comtigo tarde ou sedo Hei Vir a ser felis
[12]
quis dizerte adeos não pude a linda mão tua apertei com esta ternura i saudade como não moro não sei
[13]
espero resposta Desta logo q a receber

Representação em textoWordcloudRepresentação em facsímileManuscript line viewPageflow viewSyntactic annotation