PT | EN | ES

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

Visualização das frases

[1829]. Carta de Julião para José Moro espanhol, preso.

ResumoCarta de um amigo a dar apoio ao preso José Moro.
Autor(es) Julião
Destinatário(s) José Moro            
De Portugal, Lisboa
Para S.l.
Contexto

A José Moro, espanhol preso na Cadeia de Belém, foram apreendidos diversos papéis e 11 moedas falsas em chumbo. Entre os papéis, escondidos na roupa do preso, o carcereiro encontrou um livro de contas, desenhos, cartas e bilhetes. Testemunhando as razões da sua prisão, o réu contou que tinha sido abrangido pela «medida geral para prender os espanhóis no dia 7 de junho de 1828 por ordem do Intendente» (PS6024).

Suporte quarto de folha de papel dobrado escrito nas duas primeiras faces e com sobrescrito na última.
Arquivo Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Casa da Suplicação
Fundo Feitos Findos, Processos-Crime
Cota arquivística Letra J, Maço 136, Número 20, Caixa 361, Caderno 1
Fólios 29r-v, 30v
Transcrição Ana Guilherme
Revisão principal Cristina Albino
Contextualização Ana Guilherme
Modernização Sandra Antunes
Anotação POS Clara Pinto, Catarina Carvalheiro
Data da transcrição2007

Texto: -

Etiquetas:


[1]
Amigo Pepe
[2]
Muito estimei saber que passavas de saude apesar dos imcomodos d'uma prisão, e a falta dos Amigos.
[3]
Aqui estamos de saude e lamentando a tua sorte, pois não sabemos qual sedá
[4]
porem o homem de merecimento em toda a parte encontra amigos, e hinda que a desgraca nos queira perseguir sejamos superiores a a ella, e revistamonos de paciencia:
[5]
todos temos centido a tua falta, e a min me dizem que estou tris-te, porque me falta o meu potinho,
[6]
porem isto não passa de brincadeida pois todos sabem o quan-to tu eras credor da amizade
[7]
de todos e do teu Verdadeido Amigo Jullião
[8]
PS Espero noticias tuas

Representação em textoWordcloudRepresentação em facsímileManuscript line viewPageflow viewSyntactic annotation