PT | EN | ES

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

Visualização das frases

[1754]. Carta de Manuel Martins para um capelão.

Autor(es) Manuel Martins      
Destinatário(s) Anónimo91      
In English

The Inquisition archives contain, apart from the around 40 thousand individual proceedings ("processos"), a collection of scattered charges, for which the Inquisition "Promotor" had to decide whether or not to prosecute. Complaints, confessions, letters by the commissioners or about different stages of each proceedings are some of the document types that can be found in these books. This letter has been kept among such documentation.

If there is no translation for the letter itself, you may copy the text (while using the view 'Standardization') and paste it to an automatic translator of your choice.

Texto: -

Etiquetas:


[1]
Snr Pe Capelam
[2]
o Soldado que eu dise a vm debaixo de Comficão he do regimto de Manoel de besa dantas
[3]
primeiramte que antes que o prenderão que trazia Comsigo huma Couza que o seu sargento tinha ordem pa o prender que pasava por elle que o não prendia nem ovia
[4]
em segundo lugar que hum dia que se lhe sumio aquilo do bolso que naquele mesmo dia o prenderao que fugindo elle do barco ou escondendose que andava Com as maons por sima e que não vião
[5]
e a todos dis que aqui não mas que em estando no Corsario que elle sahira pa a libardade e que Cuando elle não saia do Cursario que em elle gegando a india que logo no outro dia a de la fazer hir duas pesoas em proCura dele
[6]
que pa iso leva huma prenda que sãm humas fivelas de prata e huns Curais que lhe deu a mulher
[7]
e dis que se a mulher quizer que ningem o pode livrar Como ella
[8]
eu lhe vi escrever a mulher huma Carta
[9]
eu a li que dizia que ella Com o seu puder o pudia livrar e na Carta dizia que de ha mto emtregava a sua alma o demonio tres vezes e falava em isto na Carta huma Carta de huma folha de papel em tres laudas escritas
[10]
outra Carta lhe tinha ella mandado em que dizia que tinha pidido digo tinha ido a Caza do marques de abrantes que nunCa lhe pudera falar mas que não emportava que ella esperava do seu travalho ter fruto que se não desconsolase
[11]
isto he o que poso dizer a vm
[12]
i dizendo lhe eu huma ves por sonbaria que se elle saise que vise se me pudia levar Comsigo me respondeu que em Ca vindo sua mulher que elle veria
[13]
e dizendo eu tua mulher parese me inda ser mto rapariga pa ter pato Com o diabo dice me que não era tam rapariga que não tivese trinta e tantos anos
[14]
elle chamase Lourenso antonio ella brazia maria
[15]
nisto ditriminara vm o que quizer pois sabe o que deve ser
[16]
Ds gde a vm ms annos
[17]
De vm Criado mto obrigado Manoel Martins
[18]
a molher mora pa os anjos algures e vende pelas ruas fruta e mais queijos

Representação em textoWordcloudRepresentação em facsímileManuscript line viewPageflow viewSyntactic annotation