PT | EN | ES

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

Visualização das frases

1673. Carta de Maria de Sá para um membro da Inquisição de Lisboa.

ResumoA autora acusa Frei Matias Pereira de ter aproveitado a sua confissão para uma agressão sexual.
Autor(es) Maria de Sá
Destinatário(s) Anónimo118            
De Portugal, Setúbal, Aldeia Galega
Para Portugal, Lisboa
Contexto

Processo relativo ao réu Frei Matias Pereira, sacerdote, religioso professo e pregador da Ordem do Eremita de Santo Agostinho, natural de Alcochete, morador no seu convento de Nossa Senhora da Graça de Lisboa, preso nos cárceres da Inquisição de Lisboa pelo crime de solicitação. Foi acusado por várias mulheres que se iam confessar ao Convento da Nossa Senhora da Graça. Das acusações, fizeram parte estas: dizia às confessantes que, se não voltassem a confessar-se com ele, iriam para o inferno, pedia-lhes que lhe tocassem em alguma parte do corpo, perguntava-lhes se consentiam em pecar com ele. A sentença que lhe foi dada obrigou-o a permanecer no Convento de Nossa Senhora da Graça de Penafirme (Torres Vedras) por dez anos, dois dos quais no cárcere do convento, privado de voz ativa e passiva e do poder de confessar. Teve cinco anos de suspensão das ordens e ficou impossibilitado de entrar em Évora, Avis, Alcochete e Algarve.

Suporte meia folha de papel não dobrada escrita no rosto.
Arquivo Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Tribunal do Santo Ofício
Fundo Inquisição de Lisboa
Cota arquivística Processo 83
Fólios 93r e 94r
Online Facsimile http://digitarq.arquivos.pt/details?id=2299953
Transcrição Mariana Gomes
Revisão principal Leonor Tavares
Contextualização Mariana Gomes
Modernização Sandra Antunes
Anotação POS Clara Pinto, Catarina Carvalheiro
Data da transcrição2009

Texto: -

Etiquetas:


[1]
Snors inquizidores Apostolicos
[2]
Obriguada da minha consiensia q trazia carreguada comoniquei com o meu confesor pesoa grave e douta o cazo de q dou conta a Vmes e he o seguinte pedindolhe me dese o remedio conveniente asi a minha consiensia como a minha opinião por ser como sou hũa mosa donzela nobre que vivo maiores os meos maiores e me não foi nem será posivel Remediarme noutra forma neste cazo
[3]
que avera seis ou sete annos pouco mais ou menos confesandome em huma irmida qde huma quinta q tem os frades grasianos de s aguostinho em algdeia gualegua donde sou natural a hum frade desta mesma ordem o qual morava neste tempo nesta mesma quinta o qual religuiozo se chama fr matias pereira natural da vila de alcouchete sendo eu de de idade de vimte annos e confesandome a este confesor q aqui declaro em confisionario sem devizam por não se ofereser outro comodo o dito meu confesor deixandose esqueser de sua obriguasão do estado e do lugar santo e sagrado no mesmo auto sacramental e munto contra minha vontade e repunansia que fis quanto dava hũm lugar publico ele afagandome tentado do seu torpe apetite me tomou as minhas mãos entre as suas e forsejandomas mas pos em as suas partes humanas e lasivas e satisfes seu danado apetite sem eu me poder livrar de sua torpe violensia por aver na dita irmida gente q poderia entender alguma couza contra minha opinião estado e calidade
[4]
e como minina me foi forsado consentir em tal e tão torpe delito mto pezar do meu corasão
[5]
este foi o cazo
[6]
e dando conta dele ao meu confesor ele me aconselhou devia de dar conta a Vmes por ser materia tocante ao s ofisio so pena de escumunham
[7]
e me dise q dese conta em confisão ao meu parocho escrevendo esta carta a Vmes
[8]
asĩ o fis e lhe dei esta carta pedindolhe mto que como meu pastor ma encaminhase a esse tribunal todo o segredo q comvem porq eu não poso nem por rezão de meu estado e qualidade e de meos maiores poderei Remediarme doutra manra pelo risco a q me pexem
[9]
e tudo o q aqui diguo de mi-nha letra e sinal afirmo e juro pelo juramento dos santos evangelhos como se nese tribunal me fose dado
[10]
Vmes serão servidos aver respeito a estas rezois e se hei emcorrido em algũa excumunhão por esta mesma via espero o Remedio de minha alma pois esse tribunal he de justisa e de justisa de miziricordia
[11]
escrita em aldeia gualegua de ribatejo em vinte e sete de marso de seissentos e setenta e tres annos
[12]
e este delite não foi cometido mais q hũa ves
[13]
Eu Maria de ssa

Representação em textoWordcloudRepresentação em facsímileManuscript line viewPageflow viewSyntactic annotation