PT | EN | ES

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

Visualização das frases

[1577]. Carta de autora não identificada para [Manuel Reinel], licenciado em Medicina.

Autor(es)

Anónima42      

Destinatário(s)

Anónimo261                        

Resumo

A autora dá notícias suas e da sua família, relembrando ao destinatário pormenores de um envolvimento amoroso entre ambos.

Texto: -

Etiquetas:


[1]
Sor
[2]
Escrever lhe eu tera vosa m por cosa nova
[3]
eu asi vi cosa nova o portador que dixe ser filho de vm que não sei se vos brade o como veo não tendo vm houtro como ele diz
[4]
ele me veo a ver e a todas as mais parentas
[5]
folgara em vos criar por o conhecer bem mas da maneira que ele vem não poso eu crer que e filho e por iso não foi de mim mais agazalhado nem de ninguem
[6]
e medo de o não ser e seremos ẽguanadas porque o costumão a fazer nesta tera de que vem muitos males
[7]
e as peçoas homradas fogem de todo aquylo que lhe pode vyr trabalho.
[8]
Sor ele dara novas a vm do que vyo e sabe mto por ẽtero e das vydas de todos,
[9]
da minha lhe quero eu dar
[10]
eu sor casei tres vezes como sabera
[11]
aguora vay em houto anos que estou viuva em casa de meu filho
[12]
ele me tem muito homradamẽte
[13]
e mto homrado e virtuoso e mto bem eista
[14]
e asi he sua molher
[15]
não tem filhos nem numqua pario vai quinze anos
[16]
e suas irmãs tem a mais velha quoatro filhos e a mais moça fylho e fylha e a mais velha tem filho mto frermouso e as quatro filhas
[17]
a minha soubrinha filha de minha irmã a mais moça tem duas fylhas e fylho
[18]
esta viuva de poqo tornou a
[19]
digo sor que eu casei meu filho minha soubrinha e a tomei sem nada
[20]
e fui eu melhor tya que meu tyo que ds perdõe que por eu ser pobre não me quys por nora e tomou a filha de minha pryma por o dinheiro e não por mais frermosa nem por mais dresquerta nem por mais molher
[21]
mas ds como digo ds lho perdoe que me tyrou o meu e a quẽ eu tanto quis que quãdo sounho vosa m me não peza nada e as soras suas irmãs e as janelas da sua casa de baxo.
[22]
que aguora quãdo sounho todo o paçado e agoura sounho algũas horas não sou triste que ja que não vejo vosasmerçes folgo de hos ver por sounhos que mtas vezes me pareçe que os vejo e falo como se foçe asy
[23]
nisto faz o pacado amor e me lebra ẽtre houtras cosas as cartas que me vm escrevia
[24]
hymda as tenho e me lebra hũa noite de hemdoenças adando as igregas
[25]
dexo isto e torno a meu queixume que tenho de meu tio que eu fora hyda casada e vos sor tambem
[26]
mes o dinhero que eu agora tenho se ẽtam o tevera eu fora mulher de vosa m hymda que era metade castilhano e castilhano gente tam baxa
[27]
por deradeyro todos avemos de morer asi os riquos como os pobres como as da ma casta como as da boa
[28]
e não fiqua senão ds e a virgem maria nosa sora
[29]
Senhor A sora sua irma do meu nome aja esta por sua e que soube como estava mto fermosa e riqua que folgey mto mas que seu espouzo esta mto velho e carreguado de trabalhos e sem mai nem irmã
[30]
e tem a irmã e soubrinha casa e muitas demadas e pouquo lembramça dela
[31]
nem falar nela por sonhos
[32]
e tem filho que adoura esta pobre
[33]
digo pobre que hey doo dela e que ds se lembre dela e de suas irmas asi as viuvas como a moça e a morta, ds a perdoe
[34]
a todas minhas ẽcomẽdas e que lhes beijo as mãos mtos cẽtos de vezes a sora sua sougra de vm e as soras suas filhas
[35]
e que sobede do trabalho de seu neto ds sabe quãto me pezou
[36]
e não ay mais que dar graças a ds e a nosa sora e roguar lhe que de vida aos vivos pa servir a ds.
[37]
a sora sougra de vosa m que bem sentira quãto desgosto senteremos as novas d ese filho lhe ser tãmto deshoubidiente e ser feito de sua vontade pa dar nojato a todos
[38]
ele não fiquou riquo nem nos o poderemos ajudar nada
[39]
eu a trỹta e quatro anos que o não vi nem sei como e feito
[40]
ele bem me podia ver a mỹ mas eu a ele não
[41]
praza a ds e a virgem maria que o veja eu vida e desquaço
[42]
e asi o rougo eu a ds
[43]
e que ho tire ds de tanta poubresa e que não mora a fome
[44]
e que se lẽbre ds de sua moçedade.
[45]
sor por o meu melhor firmado saberias todas as novas de minha casa
[46]
e da gente que tinha toda moreo no tempo da peste que foram houto cãtivos braquos e houto negros todos os mais criados casa
[47]
e não siti tãnto como siti ese que me dixe ser filho se ho e que era morto
[48]
não sei se deixou algũa cosa nem sei de que moreho
[49]
não folgara que vivera pa por ele saber de todas vosas merçe e sobre todas saber da sora sua sougra como esta se esta mto velha
[50]
eu lhe quero mto que a ningem devo eu mais que a ela que me deo hũa albarada de prata quãdo casei e houtrem não devo nada nem valia de meo real
[51]
e folgo mto vm lhe de abraco por mto apertado e lhe beije as mãos muitas vezes por todas e que lhe dou novas que estou mto bem ds seja louvado e mta saude e mto bem desposta e todos os meos detes mto alvos e lypos e hando mto dereta como dira o filho de vm que bem me vio e dira se e verdade
[52]
e vem labrado de seda e cosedo e velado que asi me achou minha soubrinha a qual he muito honrada e vertuosa e minha amigua e me quer mto e mais que filha obidemte
[53]
e asi meu filho he mto honrado e amigo a ds
[54]
sam me mto obidentes tudo que me fazem ser moça
[55]
isto digo que diga vm a sora sua sougra porque sei que a de folgar mto asi como eu folgo seu bem
[56]
não tenho que mais lhe diga nem a vosa merçe nem as soras suas irmãs porque não sei falar por carta o que quiria
[57]
isto abasta
[58]
e pa vm seu beijo pois o fez ds tam desquerto e letrado
[59]
ds lhe de muita vida saude pa servir a ds e a nosa sora e a todas as soras e filhos e netos
[60]
amẽ
[61]
lembrame isto que se seu sougro que ds perdoe deixara a meu pai o que deixou a quem o deixou que ele o tevera agoura e não lhe fizera o mal que feze por lhe pedirem o seu
[62]
eles sam agora hos mais riquos e validos o alheho
[63]
isto basta pa vosa merçe.
[64]
Sor hũa liaor medez que foi minha vyzynha se vosa merçe a vir lhe diga que hos seis mil rs que eu tinha seos que seu conhado mos tomou por gestiça por hũa percuraçam que tinha sua e que lhos não pude tirar pa lhos mãdar
[65]
se ela hi não estever o for morta o escreva ysto a sua filha por me fazer merçe e asi as novas de todos
[66]
feyta de noite as doze oras muitas lagrimas de vomtade e saudades grades que cheguã ao coraçam

Representação em textoWordcloudRepresentação em facsímileManuscript line viewPageflow viewSyntactic annotation