PT | EN | ES

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

Visualização das frases

1649. Carta de Domingos Viana, cura, para o vigário Manuel.

ResumoO cura de Peniche escreve a um vigário a denunciar um homem chamado Brás Pereira.
Autor(es) Domingos Viana
Destinatário(s) Manuel            
De Portugal, Leiria, Peniche
Para S.l.
Contexto

O reú deste processo é Brás Pereira, mareante, natural de Peniche. Foi acusado de bigamia e na sua confissão confirmou que se casara em Peniche com Guiomar Gonçalves, de quem teve dois filhos. Para fugir da armada mudou-se sozinho para Buarcos onde voltou a casar, desta vez com Joana Rodrigues, mudando o nome para Francisco Jorge. Recebeu a seguinte pena : "açoutado pelas ruas públicas (...) e o degradam para as galés de Sua Magestade pera nelas servir ao Remo sem soldo por tempo de cinco annos" (transcrição modernizada).

Suporte uma folha de papel dobrada, escrita apenas no rosto
Arquivo Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Tribunal do Santo Ofício
Fundo Inquisição de Lisboa
Cota arquivística Processo 3804
Fólios 13r
Transcrição Ana Rita Guilherme
Revisão principal Rita Marquilhas e Cristina Albino
Contextualização Ana Rita Guilherme
Modernização Clara Pinto
Anotação POS Clara Pinto, Catarina Carvalheiro
Data da transcrição2008

Texto: -

Etiquetas:


[1]
Snor Vigro
[2]
Vm tenha a saude q dezeja,
[3]
Vm terá per novidade esta carta mas o Cazo he grande sendo verdadeiro.
[4]
Vm saberá como tinha freges nesta igra do spirito sancto de peniche onde sirvo de Cura q se chamava bras pereira, o qual se quis embarcar pa o brazil a anno e meio,
[5]
e este bras pereira he cazado com hũa minha vezinha chamada guimar glz in facie eclesiae e tem della dous filhos
[6]
fui informado pa q poupe palavras q este bras glz pra esta cazado nessa villa de buarcos e q tirou ou mandou tirar nesta terra os pregões em nome de outrem,
[7]
o tal bras glz pra he homem de 25 pa trinta annos alto pouca barba buso semelhante a ruivo
[8]
per esta advirto a Vm da pte da igra saiba se he ahi cazado algũ homẽ de peniche e se tẽ estes sinais q lhe dou,
[9]
e o mande prender, ou fazer o q lhe incũbe o seu ofiçio pa q obviemos tam grande mal.
[10]
E a mi me mande como seu cativo, e me avize para este portador do q sabe disto perq Vm lhe importa
[11]
20 de abril de 649 de Vm o Cura do spirito sancto de peniche dos Viana

Representação em textoWordcloudRepresentação em facsímileManuscript line viewPageflow viewSyntactic annotation