PT | EN | ES

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

Visualização das frases

[1599]. Carta de Batista, frade, para Marcos da Trindade, ministro provincial da Sagrada Ordem da Penitência.

Autor(es)

Batista      

Destinatário(s)

Marcos da Trindade                        

Resumo

O autor pede a um superior que tome providências em relação ao comportamento de um frade, Vicente Borges, o qual tem frequentado casas de prostituição e mantém um caso com uma mulher casada.

Texto: -

Etiquetas:


[1]
ontem 2a fra Recebi a porta desse cõvento a mayor afronta, que nũqua recebi
[2]
eu hia pa val de ladrões e quis fazer oracam,
[3]
chegando a porta da igra o pe frei Vte me cerrou as portas e me não quis deixar entrar o que me scandallizou mto,
[4]
logo quis chamar o pe ministro pa lhe pregũtar se era por sua ou ordem e soube que estava elle mal disposto portanto o não quis inquietar,
[5]
elle fechou as portas da igra e foi ao mo dia e dentro, estava huã valhaqua desta villa molher de ma opiniam, e com quem elle tem fama, e por sua causa essa casa esta mto defraudada
[6]
e disto mãde o pe ministro pregũtar aos principais desta villa
[7]
elles lhe dirão a verdade porq tudo esta mto roto,
[8]
e hötem hia ella Rapaz de joão Ribro o portro
[9]
ella ainda qua não he
[10]
ao menos não veo qua a dormir
[11]
olhe s lla esta ainda o Rapaz tamẽ ella,
[12]
2a fra ontem fez outo dias esteve elle todo o dia a porta fechada nesta villa en casa dessa molher,
[13]
e disto ha mais de sete pas de credito,
[14]
mostre V R esta carta o pe ministro pa q elle se enforme de tudo, porq emporta a honRa s dessa casa ser Restaurada
[15]
esta q me mandav o pe cura da villa de marialva mostrei ao pe ministro perante o pe fr barnabe e elle a leve zombou mto meteno a rir e todos os padres
[16]
tem acuzado 5 o 6 vezes e não quer deferir o dito nẽ algũ
[17]
tambem lhe acharão hua te a fazer toda a caridade e satisfez se o ministro com dizer q não sabia della
[18]
informou outros frades q V pte tinha mudado.
[19]
diz q ella a meteram na sua cella e tambem diz q por nenhũ caso não ha de ser frade treceiro ainda q deos o de mas q primeiro q se va a de cavalguar a coantas achar e bota a perder coantos coristas vem a sua casopanhia
[20]
o alcaide mor e lourenco camello de marialva me avisarão que tirasem este frade daqui ou q deriam q todos o consentiamos q elle fose velhaco.
[21]
o abade de cedavim devessando V pte nesta casa 5 alqueires de trigo e elle os tomou pera si e os pos casa du moleiro de val de lladrois donde elle costuma sair disfarsado coando lhe parece
[22]
e diz q he fr dum conde ou q gasta a sua nessa casa he he tam mimoso do mais q o não quis mandar a pe diferir e no dia q aculhemos tres esta o mandou pedir a villa
[23]
ponha V pte cobro nisto por amor de deus e vm me mande bilhete mas q seja pera o inferno e espera ir a seos pes
[24]
senão me irei pera onde nũqua veja portugues porq estou o q o mais afrontado homẽ q nũnqua vi
[25]
feita oje 4 de setẽbro
[26]
menor subdi de V pte fr baptista de xpö
[27]
ser eu so o q avisso ao presente he porq não tem vindo despeditorios porq eu sou o q menos sei destas cousas

Representação em textoWordcloudRepresentação em facsímileManuscript line viewPageflow viewSyntactic annotation