PT | EN | ES

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

Visualização das frases

1730. Carta de João de Sá Meneses e Silva para Luís José de Vasconcelos e Azevedo, fidalgo.

ResumoO autor pede aodestinatário que se lembre de uma pretensão que lhe apresentou anteriormente.
Autor(es) João de Sá de Menezes e Silva
Destinatário(s) Luís José de Vasconcelos e Azevedo            
De Portugal, Lisboa
Para S.l.
Contexto

Após a revolução Setembrista e a subsequente reforma do ensino, o estado liberal centralizou o ensino artístico juntando artistas das Belas Artes e artistas das Artes Fabris. A criação da Academia Nacional de Belas Artes de Lisboa surgiu nesse contexto: foi criada a 23 de outubro de 1836 e inaugurada em 1837. Funcionou, desde então, no extinto Convento de São Francisco, onde dispunha também de uma biblioteca com milhares de volumes. Ao longo dos anos, a Academia foi sofrendo algumas alterações, mas manteve sempre um forte pendor cultural, pedagógico e honorífico. Das atividades da Academia constam não só a formação de novos artistas como a atribuição de prémios e bolsas de estudo e a publicação de obras de grande interesse como Os Primitivos Portugueses e O Manuelino de Reinaldo dos Santos ou a revista Belas Artes.

A documentação pertencente a este fundo diz respeito, na sua maioria, a aquisições feitas pela instituição ou documentação relativa ao próprio funcionamento da mesma. No entanto, as cartas particulares recolhidas fazem parte de uma documentação cedida à instituição a 13 de junho de 1902 por António Tomás Pires (1850-1913), etnógrafo, escritor, secretário municipal de Elvas, investigador e delegado correspondente da comissão dos Monumentos Nacionais muito interessado nas tradições populares portuguesas. O acervo é composto por documentação de vários séculos (século XVI a século XIX) e reúne documentos recebidos pelos vogais da instituição e enviados ao presidente da Comissão Executiva do Conselho Superior dos Monumentos Nacionais, entre os quais cartas familiares e privadas.

Suporte meia folha de papel escrita no rosto.
Arquivo Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Documentos Oferecidos
Fundo ANBA
Cota arquivística Documento 130
Fólios 378r
Online Facsimile http://digitarq.arquivos.pt/details?id=4612220
Socio-Historical Keywords Mariana Gomes
Transcrição Mariana Gomes
Revisão principal Raïssa Gillier
Contextualização Leonor Tavares
Modernização Raïssa Gillier
Anotação POS Raïssa Gillier
Data da transcrição2016

Texto: -

Etiquetas:


[1]
Meu Amigo e meu Sor bem sei q para as pessoas como vsria Serve de injuria todo o recor-do e aplicação q se lhes fas sobre as materias de q se emcarregão, porq as suas manifestas obrigações são o despertador maes eficas,
[2]
eu sempre tivi esta lei por inalteravel, e sendo certo q ningem contra ella poderá persuadirme coiza alguma, a ançia de pertendente me fas ofendella sem reparo incorrendo na inprodencia de perguntar a vsria o estado da minha pertenção em q bem creyo não poderá aver quem me perfira mediante o piatroçinio de vsria
[3]
que Deos gde ms a
[4]
Lxa 16 de setenbro de 1730
[5]
Sor Luis Jozeph de Vasconcelos De vsria, mto Amigo e servidor D João de de Menezes e Silva

Representação em textoWordcloudRepresentação em facsímileManuscript line viewPageflow view