PT | EN | ES

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

CARDS0055

1812. Carta de Matias Luís da Silva, padre, para António Joaquim dos Reis, padre.

Autor(es)

Matias Luís da Silva      

Destinatário(s)

António Joaquim dos Reis                        

Resumo

Carta entre dois padres acerca do testamento de um deles.
O script do Java parece estar desligado, ou então houve um erro de comunicação. Ligue o script do Java para mais opções de representação.

Pe Antonio

Estimo que passasses bem a noute, e a tua familia, e eu não passei bem, nem desta idade, e com a molestia do peito posso passar senão mal. Como teimas em não quereres senão as propriedades especificadas na Procuração separa-damente, como vejo no Rescunho que me deixastes ficar, para em tudo concordar contigo o assigno, por não estar de pachorra para a trasladar, e para ser valioxo o nosso Contrato não julgo necessario ser feita a Procuração por Tabelião, como tu dizes, porem a ser precizo vai falar a Joze Alves por ser mais pratico, e que venha porq eu não posso hir com a minha aflição do pei-to, ou ao menos que venha a tua Caza que eu estarei, porem pede lhe Segredo, porque como nimguem sabe os motivos do nosso Contrato terão que murmurar, ao que me sugeito por tu seres impertinente, e temeres que haja algum desvio em contemplarte no meu Testamento com a maior parte dos meus bens. Emfim faze o que quizeres e entenderes, de sorte que tudo se arranje, como temos tratado. Quando fores para Lisboa para se fazer a Escriptura, que deve ser o mais breve, aviza pa escrever ao Pereira pedindolhe tenha este incomodo, de que espero se não escuzarà, e tu não te esqueças de trazer as gazetas mais modernas . Deos te Saude e felicidades que te dezejo como fiel Amigo

Sirol 26 de Maio de 1812 Mathias Luiz da Sa

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Guardar XMLDownload textRepresentação em textoWordcloudRepresentação em facsímileManuscript line viewPageflow viewVisualização das frasesSyntactic annotation