PT | EN | ES

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

CARDS1088

1721. Carta de Maria Clara Ribeira para Luísa Maria.

Autor(es)

Maria Clara Ribeira      

Destinatário(s)

Luísa Maria                        

Resumo

Maria Clara Ribeira diz à amiga, Luísa Maria, que confessou ter assistido a uma reza que uma mulher fez. E diz-lhe ainda que é melhor ela ir rapidamente ao Santo Ofício denunciar a tal mulher, porque ela também assistiu à reza. Maria Clara aconselha a amiga Luísa a ter paciência, e diz-lhe para ela não se afligir porque o Santo Ofício é piedoso.
O script do Java parece estar desligado, ou então houve um erro de comunicação. Ligue o script do Java para mais opções de representação.

Minha Amiga Luiza Maria; Dei Com Confessor empertinente, e Confessandolhe aquillo que aquella mulher ensinava Com que fes tornarlhe a Caza o seu amigo, que era não Rezar o Rozario, nem dizer jesus M em quinze dias e o mais que ouvio e ella dice, me mandou dar parte ao sto officio; ja o tenho feito, e Como vm asistio me perguntarão que mais sabia do Cazo, e lhe dice que tambem vm ouvira, porem que nenhũa de nos tal fize-ra, antes arnegara tal diabrura, e asin he necesso que vm va Logo Logo ao sto officio denunciar tambem quando não hão de chamalla, e chamão; não se descuide e tenha paciencia que eu sou obrigada a fazer o que dis o Confessor, e nestas materias de Nossa Sta fe não ha amigo pa amigo, não se asuste q tudo se fas Com piedade Deos gde a vm mtos annos

15 de Janro de 1721 Sua amiga Maria Clara Ribeira

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Guardar XMLDownload textRepresentação em textoWordcloudRepresentação em facsímileManuscript line viewPageflow viewVisualização das frasesSyntactic annotation