PT | EN | ES

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

PSCR0457

[1669]. Carta de Afonso Rodrigues Mendes para Pedro Ferreira, do Santo Ofício.

ResumoO autor pede ao destinatário que cobre uns pagamentos e denuncia-lhe um caso de judaísmo.
Autor(es) Afonso Rodrigues Mendes
Destinatário(s) Pedro Ferreira            
De França, Bordéus
Para Portugal, Lisboa
Contexto

O réu deste processo é António Rodrigues, contratador natural do Mogadouro, preso pela Inquisição de Lisboa em 1672 por judaísmo. As duas cartas contidas no seu processo foram entregues na mesa do Santo Ofício pelo familiar Pedro Ferreira, seu destinatário, por conterem acusações de judaísmo contra António Rodrigues e outros familiares seus que, perseguidos pela Inquisição, tentaram fugir do reino. Foram escritas por um conhecido de Pedro Ferreira, Afonso Mendes Rodrigues, que estava a viver em Bordéus.

Suporte meia folha de papel não dobrada escrita em ambas as faces.
Arquivo Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Tribunal do Santo Ofício
Fundo Inquisição de Lisboa
Cota arquivística Processo 5412
Fólios 29r-v
Online Facsimile http://digitarq.arquivos.pt/details?id=2305435
Socio-Historical Keywords Maria Teresa Oliveira
Transcrição Mariana Gomes
Revisão principal Maria Teresa Oliveira
Contextualização Mariana Gomes
Modernização Raïssa Gillier
Anotação POS Raïssa Gillier
Data da transcrição2016

O script do Java parece estar desligado, ou então houve um erro de comunicação. Ligue o script do Java para mais opções de representação.

Cuja pessoa gde Deos Amigo he servidor de vm Afonso Roiz Mendes

ha hum filho de Diogo Rodrigues mezas dei aqui 20 U de que me paço Letra sobre seu pay a qual esta em poder de Luís Correya de pas a quem Escrevo a que com Esta vay em que lhe digo a de vm muita merçe me fara vm Em lha prezemtar E fazer com dito ma page pois a tamto tempo que com Elles asistei a dito seu fo E he a vm peço perdão da comfiamça com que ho ocupo este jodeo de q atras falo nemcar q he hum pouquo vesgo sua mai he natural da va de frumteira he elle tãobem vai a dita va vemder hum olival q dita sua may la deixou se quizerem recoler esta pomba podem mandar a dita q nella he certa se aribar a essa cidade q he fo da mais oservamte judia q tem esta prasa he oserva como fo de tal may

servidor he Amo Roiz Mendes

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Guardar XMLDownload textRepresentação em textoWordcloudRepresentação em facsímileManuscript line viewPageflow viewVisualização das frases