PT | EN | ES

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

CARDS5256

1825. Carta de José de Faria Machado, sargento, assinada sob o pseudónimo António Chuço, para Alexandre de Brito.

ResumoO autor exige dinheiro, ameaçando roubar e matar o destinatário caso este não cumpra.
Autor(es) José de Faria Machado
Destinatário(s) Alexandre de Brito            
De Portugal, Viana do Castelo, Arcos de Valdevez
Para Portugal, Viana do Castelo, Arcos de Valdevez
Contexto

A forma de extorsão que esta carta documenta (e outras mais de igual teor) representa uma prática que se tornou característica da cadeia do Limoeiro no primeiro quartel de Oitocentos e cuja amplitude em muito beneficiou da instabilidade política e social associada aos primeiros anos do Liberalismo e da ambiência generalizada de vulnerabilidade e suspeição.

Arquivo Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Casa da Suplicação
Fundo Feitos Findos, Processos-Crime
Cota arquivística Letra L, Maço 8, Número 8, Caixa 19, Caderno 3?
Fólios 12?-
Transcrição José Pedro Ferreira
Revisão principal Raïssa Gillier
Modernização Raïssa Gillier
Anotação POS Clara Pinto, Catarina Carvalheiro
Data da transcrição2007

O script do Java parece estar desligado, ou então houve um erro de comunicação. Ligue o script do Java para mais opções de representação.

Lisboa 8 de Mo de 1825% Illmo Snr ALixandre de Brito

Mais de q tudo lhe dezajamos hua perfeita Saude e mais Ilustre familia q tem a honra de ter Illmo Snr Serve esta de lhe parteçipar que nos Açhamos nesta Cide a tratar de hum Livramto de hum noSo Amo e Camarada q Se açha prezo no Limueiro e pa Alcançar a Liverde do noSo Amo nos fàs perçizo depozitar trezentos mil Reis Cuja quantia Repartida pellos Senhores q são noSos Amigos toca a VSa quinze moedas as quais Logo q VSa Reçeba esta esperamos q os Remeta no primeiro Corro na forma Seguinte estas quinze moedas hon de Ser em Denheiro em papel metido dentro em hua Carta e butada abulço no Coreio Com o Sobreescripto ;Ao Illmo Senhor graviel Caqueiro de Canabaro na prizão nova da Corte Lisboa q desta forma Somos emtregue delle este dinheiro he emprestado o qual VSa o ha de Reçeber pa o Sam João na mma forma; pois bote VSa bem Sentido no q fica do q não Cumprindo VSa mando avizo os meus Camaradas pa q Se lhe Roube esta qta e o mais q tever em Sua Caza e perderá a propia Vida e Cumprindo VSa pode Viver desCançado em Sua Caza q Se lhe não fás emSulto Algum aSim bote bem Sentido o q dito fica aLias bem Sabe o Velo Setio pa o mmo q aCabo de dizer por isso ficamos esperando de VSa este obzequio pa pormos o noSo Amo na Liverde isto no promeiro Correio Sem a mais minima falta bem Save o Respeito q Se lhe tem guardado e nós brevemte pa hi fazemos Jornada q aSim nos fás perçizo e não queira passar pr Algum emSulto e não digo mais nada do q fica do Antonio xuço Capam de 150 Ladroins Montados Escapador dos Milagres etc


Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Guardar XMLDownload textRepresentação em textoWordcloudRepresentação em facsímileManuscript line viewPageflow viewVisualização das frases