PT | EN | ES

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

CARDS0003

1825. Carta anónima, atribuída a Agostinho Peres, criado, galego, para Mariana Bárbara Carvalho e Faria, solteira.

ResumoO autor pede dinheiro recorrendo a ameaças.
Autor(es) Agostinho Peres
Destinatário(s) Mariana Bárbara Carvalho e Faria            
De Portugal, Lisboa
Para S.l.
Contexto

O réu é descrito no processo como sendo, em 1825, "trabalhador, casado com Carlota Cândida, filho de Estêvão Peres e de Inês Alves, natural de Galiza, idade de vinte e quatro anos, morador na Rua da Conceição [à] Praça das Flores [Lisboa], estatura ordinária, cabelo ruço, pouca barba, olhos azuis, rosto comprido, jaqueta, colete e calças de romendos [e] de botins" (transcrição modernizada). Nos interrogatórios, assume-se como sendo ora criado, ora moço de recados. Para a Justiça, ele era ora trabalhador, ora moço de fretes. Em Lisboa, foi criado da viúva Inês Bárbara de Santana Xavier de Pontes, mas a patroa despediu-o. Na versão da senhora, que o veio a processar, Agostinho Peres chantageou-a, a ela e a outras senhoras, enviando-lhes cartas de extorsão cujos originais e cópias constam do processo. Depois de preso, fez várias exposições em que contava da sua pobreza, da da mulher e da criança que lhes morrera. Em 1826, depois de ter sido condenado a degredo perpétuo para Angola, recorreu da sentença e acabou degredado por três anos para Cabo Verde. Esta carta, CARDS0003, está transcrita também no processo pelo escrivão António José Ferreira de Passos. A leitura do escrivão é reproduzida abaixo devido à sua relevância para o estudo do galego. "Lisboa dezesete de Abril de mil oitocentos e vinte e cinco. Espero o patrocinio de Vossa Senhoria desta haja de achar resposta da Senhora Donna Marianna, e Donna Izabel Ilena; pesso e requeiro a quantia de vinte moedas, que destas sendo entregue eu conresponderei o dia ultimo de Junho, e desta pelo portador mandará a resposta, e que em mandando Resposta, conte com o meu patrocinio, e dos meus Camaradas; pois não mandando a respostas, quem hade sentir he Vossa Senhoria, pois não escapará o proprio Palacio, e sendo o portador entregue poderá Vossa Senhoria ficar descançada, e sem susto algum, pois espero de Vossa Senhoria a resposta, ejá, ejá, ejá´[.] Á Senhora Donna Maria Magalle. Santo Antonio da Convallecença Sete Rios".

Suporte meia folha de papel dobrada escrita no rosto do primeiro fólio e com o sobrescrito no verso do segundo.
Arquivo Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Casa da Suplicação
Fundo Feitos Findos, Processos-Crime
Cota arquivística Letra A, Maço 17, Número 5, Caixa 39, Caderno 1
Fólios 36r-37v
Transcrição Leonor Tavares
Revisão principal Cristina Albino
Contextualização Leonor Tavares
Modernização Ana Luísa Costa
Data da transcrição2007

O script do Java parece estar desligado, ou então houve um erro de comunicação. Ligue o script do Java para mais opções de representação.

Lisboa A 17 d Abril 1825

Espero o patrozino de boso Senhoria desta Axa de Agar Resposta da Snra dona mariana e dona Isabel Ilena peso e Requero A quamtia de vinte moedas que destas Semdo emtrege heu comRespomderei o dia hultimo dia de ghonho e desta pelo portador mamdara A resposta e que em mandando A resposta comte comote co meiou patroçino e dos meus camaradas pois nom mandando A resposta quem o ha de semtir he vosa Senhoia pois nom escapara o propio palaio e semdo o portador emtrege podera bosa Senhoria ficar descamsada e sem susto Algum pois espero de Boso Senhoria A resposta ga ga ga


Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Guardar XMLDownload textRepresentação em textoWordcloudRepresentação em facsímileManuscript line viewPageflow viewVisualização das frases