PT | EN | ES

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

CARDS0067

1822. Carta de António Maria de Lemos, militar, para Lourenço António de Oliveira, juiz.

Autor(es)

António Maria de Lemos      

Destinatário(s)

Lourenço António de Oliveira                        

Resumo

António Maria de Lemos, preso na Cadeia do Limoeiro, escreve ao tio a pedir ajuda.
O script do Java parece estar desligado, ou então houve um erro de comunicação. Ligue o script do Java para mais opções de representação.

Muitoeu Tio Calla fixada Cadeia Cidade 12 de Março de 1822

Muito Ei de estimar que estas duas Regras o Vão achar disfrutando huma feliz Saude em Compa de tudo Cuanto lhe pertençe Meu tio qua me tem dito a portadora desta que Vmce disse que se não Esqueçia de me mandar a Resposta e foi llá Segunda Vez e a Ignaçia lhe disçe que Vmce não tinha quem quá mandasçe agora lhe mandou partiçipar que no Cazo que Vmce me queira fazer a Esmola de mandar o Seu Criado Com a portadora para lhe ella emsinar adonde eu Estou e eu emtão darlhe o signaes Sertos para que elle se capaçite pa que eu Sou o proprio pois Estemos Brebe a Hirmonos emBora e pella disgraça em q me vejo Com isto Não emfado mais

deste Seu Sobrinho q muito lhe quer e dezeja a Vida Antonio Ma de Lemos

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Guardar XMLDownload textWordcloudRepresentação em facsímileManuscript line viewPageflow viewVisualização das frasesSyntactic annotation