PT | EN | ES

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

PSCR0026

1542. Carta do doutor Jorge, médico, para o doutor Jorge Henriques, seu primo.

Autor(es)

Jorge      

Destinatário(s)

Jorge Henriques                        

Resumo

O autor relata ao seu primo diversos acontecimentos e desventuras que lhe aconteceram na expedição militar contra Argel.
O script do Java parece estar desligado, ou então houve um erro de comunicação. Ligue o script do Java para mais opções de representação.

Snõr primo

depois que de sirene parti forão tas as tromẽtas que pasei que seria ĩfinito cõtarlho p saber ir armada argell fuy a genova a ẽbarquarme pa ver se podia ganhar algũa cousa pa repairar a fortuna derãmme cargo do espritall do ẽmperador quỹze ducados de partido po mes que feito sosoder o negocio como foi fizera pveito achei me hũa galle que deu a costa travesia õde sahi u grãde trabalho e pirigro que hi todos levamos dahi fuy ter a ilha de sardenha companhia de algũas 6 cõpanhias de solldados õde estive este ĩmverno delibirei vir busquar o sõr meu pmo diogo fernãdes po eu saber estar so fazẽdo os negocios da nacão a quẽ davã empidimẽto seus asarios que me despras todo este tpo que pasou a estado aqui poque que quiser ser mao e pverso cõtra s a Repubriqua rezão he que do povo que seja animozo se queira po por isso aRisquar sua pa aquy estou e pouso elle que tpo tenho ora pa poder fallar elle segũdo ãda cãsado e aflligido po poder fazer brividade o que quer e cõtudo tẽto sõr primo vos stifiquo que se fose posivell ir a ese Reino a desafiar pa cõbater a quẽ quisese sostemtar as mallicias que ne e pouqua Rezão que nesa parte tem eu o faria poque na casa do prĩcipe e na igreja e repubriqua se a de dar excãdalo e porẽ õnia tẽpus habet as cousas ã de aver seu fim e decrinacão da prisão de seu que me fezerão os turquos p muittos ameacos e penas que me derão muitos maos pastos que comi que tudo e outas penas que apasei cahi huas mas opillacoes de figado e estamago averão tres anos e mo e nũqua tive modo nẽ pusibilidade pa me poder curar aeu apud prĩcipia e cofores õnia sut ĩ bisicora tenho ja opilacão ĩ comisano epatis et maxima comstipacao do corpo poque ire ieqora sũt callida opar et renes e gard e grãde adustão e seu suor o llenho da china e po a devoção que sempre tive seus cõselhos o quis uzar sẽ seu selho pesolhe por amor de ds que o primeiro que vier coreo que vier me escreva largo do que farei e se quiser poque p setẽbro me acabarei de curar e eradiquar desta ma opillacão poque bẽ sabe que reliqũtur ĩ morbis facille recidivũ cõsueverunt tenho debilitado os nervos dos pes po amor do moito laborioso que fis quado fugi asi sor que tenho humor melãcolico e colera vitilina comẽdome ao sõr diogo fernãdes que me cure da tall ĩfermidade que ao presẽte acõdeu vm, da sra sua molher m ẽcomendo mill vezes aqui desejo estes de v e asi vm do sor meu primo Amtonio gomes e do sor seu pays ds o tenha a sua guarda feita depresa a xx de maio de 542

primo como irmão e leall amigo doctor georg

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Guardar XMLDownload textWordcloudRepresentação em facsímileManuscript line viewPageflow viewVisualização das frasesSyntactic annotation