PT | EN | ES

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

PSCR1282

1609. Carta de Filipe Rodrigues de Montalto, médico, para o seu cunhado Tomás da Fonseca, médico.

Autor(es)

Francisco Rodrigues de Montalto      

Destinatário(s)

Tomás da Fonseca                        

Resumo

O autor dirige-se ao seu cunhado, residente em Lisboa, queixando-se da falta de comunicação entre ambos e convidando-o a juntar-se-lhe em Florença.
O script do Java parece estar desligado, ou então houve um erro de comunicação. Ligue o script do Java para mais opções de representação.

De Florença a 17 de agosto de 609

Injusta cousa , que se passe a vida em perpetuo silencio, e que nem Vm queira saber de mi, nem eu o obrige a me dar no-vas de si; se me constasse, que minhas cartas não lhe serião moles-tas, prosegeria esta suave comunicação, em falta da pessoal. Dobrasse a penna, quando alẽm da auzençia, são negadas ao homẽ, novas de quẽm ama, e se Vm conspira com os mays, direi de todo, extraneus factus sum fratribus meis, eis nos em estado, que não sabemos de Vms, e se alguhũa nova temos d alguhũa parte, imperfeita, e incerta, e inquietanos muito in diluvio aguaram multarum, como por qua soa. folgara poder mandar hũa viva reprenção, e que com efficacia soubera representar a pouca rezão que Vm tem de estar tão afeiçoado a essa terra, pois sendo certo que, cadent a latere tuo mille, et decem millia a dextris tuis, grande favor do ceo neçessario pera segurar, ad te autem non appropinquabit , quanto mays, que mostra ser pouco sensetivo, quẽm tem animo pera ver semelhantes espectaculos. de nossos coraçöns, posso testificar, que a auzencia inda que longa não de-menuie, antes acreçenta o amor, do qual o primeiro effeito dezejar sumamte ver a Vms, não pera remedio de nossas pennosas saudades, porque isso seria interesse proprio, mas pera que Vms gozem da quietação d alma, e dos mays bẽns, que nosso Snor a quem ama, fora dessa estancia; E não dezeiamos, mas tambem, pedimos ao Autor de todos os bẽns, que conçeda a Vms essa felicidade. Do Snor Doutor se soou, ser vindo a Madrid, con desse-nho de vir a Anvers, ou a Florença, esta nova, inda que incerta nos alegrou muito, principalmente por nos parecer que não seria elle , porem nesta incerteza estamos solícitos, e Vms atè a comunicação de seus desenhos nos ne-gão, esperamos emenda. A consorte se encomenda em Vms mui saudosamente, o mesmo fazem os meninos, Raphael tive doente, de hũa gravissima enfer-medade, da qual foi nosso Snor servido escaparmo por sua misericordia, seja pera seu serviço, mas ficoulhe scirro no ventre, o qual o não deixa re-cuperar perfeita saude muitos meses, e inda nos inquieta. Nosso Snor guarde e prospere a Vm, em companhia da Snora Donna Izabel. Querendo Vm fazerme m de me escrever, seja com cuberta a Ruy Lopez e Diego Roiz.


Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Guardar XMLDownload textWordcloudRepresentação em facsímileManuscript line viewPageflow viewVisualização das frasesSyntactic annotation