PT | EN | ES

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

CARDS0098

1828. Carta anónima para José Barata Freire de Lima, Intendente Geral da Polícia.

Autor(es) Anónimo10      
Destinatário(s) José Barata Freire de Lima      
In English

Anonymous denunciation letter sent to José Barata Freire de Lima, Superintendent of the Court and the Kingdom Police.

The author denounces Isidro Gonçalves.

The process of Isidro Gonçalves, the owner of a biscuit factory in Lisbon, the suspect of the murder of a servant of his and, simultaneously, of having dangerous political ideas, is contemporary with the liberal revolution in Portugal, during which liberal insurgents opposed the supporters of absolutism, led by the King D. Miguel. In reaction to this revolt, the forces of the regime persecuted and arrested people on the streets, simply based on common complaints and without further investigation.

If there is no translation for the letter itself, you may copy the text (while using the view 'Standardization') and paste it to an automatic translator of your choice.

O script do Java parece estar desligado, ou então houve um erro de comunicação. Ligue o script do Java para mais opções de representação.

Illmo e Exmo Snr

Izidro Gonçalves com Fabrica de Bollaxa na Rua das atafonas Freguezia do Sucoro tinha em sua caza hum Moço por nome Francisco Balhão munto Realista qujo moço tinha tido grandes argumentos com os outros compros tambem criados da Fabrica elle sempre a favor de S D Miguel e o patrão com os outros sempre contra elle ate q chegou a noticia de os Malvados do porto se terem levantado depois emtrarão a dizelhe a elle Franco agora ha de levarte o diabo a ti mais ao Infante emtrou o moço a zangarce e dicelhe q os avia de acuzar ate q huma noite, hum Bento criado da mesma Fabrica lhe deu hum facada abacho Inbigo sentindoce o moço ferido gritou e dice ai que me matarão elle patrão e os outros moços todos do partido do dono da caza dicerão asim como o patrão calate q não he nada e o levarão pa o Interior da Fabrica ali esteve algunes dias sendo Corado por hum sorgião do Espital q mora na Rua da Nova da Palma depois diçelhe o sorgião ão Patrão o Rapas more mande o para o Espital o que aSim fez e la moreu. Snr o Mattador ainda esta em a Fabrica e ali estão todos os colpados naquela morte i dizem q não podem ser prezos sem lecença da concerVatoria Hespanhola porque são galegos.

Lxa 14 de 1828 digo Junho

Exmo Snr mande prender estes homens amanham de Noite pois a outr hora não os achão principalmentte ao Domingo porque saiem a vender bolacha


Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Guardar XMLDownload textWordcloudRepresentação em facsímileManuscript line viewPageflow viewVisualização das frasesSyntactic annotation