PT | EN | ES

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

CARDS0165

1829. Carta de Francisco da Silva, preso, para João da Cruz, soldado desertor.

ResumoFrancisco da Silva pede ajuda para sair da prisão.
Autor(es) Francisco da Silva
Destinatário(s) João da Cruz            
De Portugal, Lisboa
Para S.l.
Contexto

Francisco da Silva, preso, escreveu a João da Cruz, soldado desertor e conhecido reincidente no crime de roubo, pedindo para este o ajudar com o seu processo-crime.

Suporte meia folha de papel dobrada escrita nas duas primeiras faces, e com sobrescrito na última.
Arquivo Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Casa da Suplicação
Fundo Feitos Findos, Processos-Crime
Cota arquivística Letra J, Maço 215, Número 65, Caixa 567, Caderno [1]
Fólios [5]r-[6]v
Transcrição José Pedro Ferreira
Revisão principal Cristina Albino
Contextualização José Pedro Ferreira
Modernização Liliana Romão Teles
Anotação POS Clara Pinto, Catarina Carvalheiro
Data da transcrição2007

O script do Java parece estar desligado, ou então houve um erro de comunicação. Ligue o script do Java para mais opções de representação.

Amigo e Snr João da Cruz Cadeia Nova 28 de 8bro 1829

As grandes afeliçoens em que me ácho he a rezão de tanto eu emportunar pa o fim de ver se pr seu patroçino poço alcançar a ma Libradade, pois vmce querendo tudo pode ser, prquanto esta em sua mão pedir a seu Pai pa que Alcançe huma Carta do Fidalgo pa o meu Ministro que he o do bairo de S Jozé, que todos os da ma devassa estão entregues ao do Ministro e sahirão dois e Breve sahirão todos e Eu ficarei, pr não ter Dro nem quem peça pr mim se para cazo vmce me não valler como fico esperando, e Espe-ro o seu Empáro; e No Cazo que vmce Tenha Dro Como me disse a ultima ves que esteve commigo que pr duas moedas que Eu não ficaria prezo antão nesse Cazo se ainda o tiver penço Que em mandando oferçer huma Moeda de Ouro o Guera que logo me botara fora; Alegando que Eu sou seu Primo e que minha Irmam esta fora da terra Que Eu algum dia lhe pagarei todo o Benificio que me fizer alem dos q me tem feito pois bem deve saber que o pedir pr mim lhe não estara mal pr a Cauza que Eu Não fui prezo pr Ladrão nem á nada que me Cremine, prquanto Espero a sua boa resposta pa estar serto e com o meu Juizo Suçegado, Isto fico Esperando em vmce como bom amigo na serteza de que Eu penço que a Carta do Fidalgo sara huma das milhores Coizas Emquanto o mais quando poder chegar aqui falar comigo he favor Saude e felicides lhe Dezejo, Saudades a Sra Rita que lhe manda qm he De vmce Ao deVeras athe a morte

Franco da Silva

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Guardar XMLDownload textWordcloudRepresentação em facsímileManuscript line viewPageflow viewVisualização das frasesSyntactic annotation