PT | EN | ES

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

CARDS1056

1603. Carta de Afonso Gonçalves, lavrador, para a mulher, Maria Jácome.

ResumoO autor conta à mulher detalhes da sua vida na prisão, nos Açores, e pede que o apoiem e que ela o ajude a conseguir a liberdade.
Autor(es) Afonso Gonçalves
Destinatário(s) Maria Jácome            
De Açores, São Miguel
Para Açores, Ilha Terceira
Suporte uma folha de papel dobrada escrita no rosto e verso do primeiro fólio e no verso do segundo.
Arquivo Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Tribunal do Santo Ofício
Fundo Inquisição de Lisboa
Cota arquivística Processo 3983
Fólios 19r-v e 20v
Transcrição Ana Rita Guilherme
Revisão principal Mariana Gomes
Contextualização Ana Rita Guilherme
Modernização Liliana Romão Teles
Anotação POS Clara Pinto, Catarina Carvalheiro
Data da transcrição2008

O script do Java parece estar desligado, ou então houve um erro de comunicação. Ligue o script do Java para mais opções de representação.

hesta não he pa mais que pa lhe dar novas de myn que he fiquar de saude mas con mto trabalho na prizão ha coal me fizerão a seu querimto he nela estou aguoardãodo por sua pesoa pa me pedir ao sor bispo que tome conxsimto deste cauzo he me sentensee com miziricordia he taoto que esta lhe for dada logo com mta brevidade se avie com seu fo he me Venha Ver he negosear minha soltura pois me fes prender he la escrevo a meu pai que me mãode saguoro pa me livrar porque estou tão despezo que de duas camizas que tinha chegei a vender hũa tãoben pode dizer a minha mai que me mãode o que lhe dei coão me Vyn que tenho estrema nesecidade he asin diga tãoben a minhas yrmas me favoresão de camizas porque estou não prizão he paso mal coãto a ela não tenho que lhe encareser senão que olhe que estou nesta prizão a quoal e mto estreita he paso mal como asima digo he sendo cazo que se não queira Vir ter commigo a resgatarme domde estou na primeira pasage me mãode o meu fo com cosa com que meu pai he mai he ela me mãodar porque não tendo logo quem me pesa ao sor bispo estou en risquo de me mãodar prezo a sidade de lisboa haremetido aos snors do Sãoto oficio pelo que lhe peso que não venha pasage que se não venha hou me mãode meu fo como asima digo tenho por enformasão que tenho hũo fo he nha que pariu ventre a aõbos envio a benção de ds he a minha he sendo cazo que se venha deiche a mosa en caza de meu pai a minhas yrmas. lhe mãodo mtas encomendas he a meus yrmãos o mesmo que esta tomem por sua he que tãoben lhe peso me favoresão como irmãos não tenho tpo pa mais largo escrever ho portador destas que he hũo moso por nome mel natural da grasioza dara meudamte novas minhas he diga a meu pai que ho favoresa he recolha pa caza querendo ele estar he servir que lhe fasa bon partido pelo amor de min porque heu so fiz abalar pa essa ylha por amor de me levar estas cartas he dar novas meudas minhas he ela tãoben o favoresa encoãto ca estiver não ha mais agora lhe peso me perdoe ho ero en que ate gora ãdei que foi segeira que me deu não se oferese mais noso sor ma traga diente de meus olhos como ela dezeja sesta nesta cadea da ylha de São migel aos 9 de julho de 603 a

De seu marido afonso gez

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Guardar XMLDownload textWordcloudRepresentação em facsímileManuscript line viewPageflow viewVisualização das frasesSyntactic annotation